sábado, 17 de setembro de 2011

Para que queremos nós um homem?

Esta manhã fui à praia. Não estava um dia perfeito, longe disso. O sol estava apenas “morninho” e soprava um ventinho que até era agradável mas prejudicava a banhoca. Mas, com a companhia perfeita - que não era o meu Amorido, mas a minha outra alma gémea, a quem chamo D. Rosa – qualquer simples manhã de praia, mesmo em finais de Verão, pode tornar-se numa muito agradável manhã de boa conversa.

E, se a conversa é como as cerejas, entre nós é como apanhar uma “barrigada”. Começamos a falar de alhos, acabamos em bugalhos. Nisto, passam-se entretanto quatro ou cinco horas. Conhecemo-nos há para aí 35 anos anos. E sempre foi assim. Temos sempre assunto…

Hoje, entre outras coisas a conversa passou pela questão “para que queremos nós um homem?” - além de tirar as coisas dos armários mais altos, o que dá muito jeito!

Conclusões? Claro que tirámos: Não precisamos para nada!

Mas completa-nos. E quando se está sozinha há algum tempo, como já foi o meu caso e é o caso da D. Rosa, o que mais falta nos faz são pequenas coisas: um jantar, com um bom vinho e boa conversa. A companhia no sofá. O plano para aquelas férias ou para aquela viagem. A presença na cama e na casa, que aquece o coração e nos preenche a alma. O companheirismo. Um sorriso, quando as coisas correm mal. Aquela troca de olhares sem palavras. Ou aquela palavra certa, no momento certo. A partilha de uma intimidade que, mais do que necessária, é sentida.

Tirando isto, para que precisamos nós de um homem? Para nada!

1 comentário:

Xs disse...

Eu já não dispenso o meu Mr. XL!
:P