quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Os porquês de montar a tenda!

O meu amigo GM, lá no cantinho dele, inspirou o tema do meu Post de hoje – o CAMPISMO.

Ora, até há bem poucos anos atrás, essa era para mim uma forma de “turismo” que estava completamente fora de questão. Um bocadinho arrastada pelo meu (felizmente) ex-marido, que tem a mania que é “betinho”, eu achava que campismo era uma coisa cheia de pó, bichos, sujidade e sem condições nenhumas. Férias para gente doida.

Entretanto, como diz o ditado: “Rei morto, Rei posto! 

Despachado que estava o “ex” e saradas todas as mazelas, fui de novo arrastada pelo amor (quem ler isto há-de pensar que sou uma tó-tó, sem vontade própria! Ehehehe). Confesso que o meu grupo de amigos de sempre, e que sempre fizeram campismo, também ajudou a convencer-me. E como comprovam este e este posts, que aqui publiquei há cerca de dois anos, chegou a minha primeira experiência campista…

Hoje, sou adepta! 2011 foi o terceiro Verão consecutivo em que incluí no “programa das festas” as férias de campismo – e desta vez, escolhi a Galé (Melides). O máximo, posso assegurar-vos!

Mas, voltando ao post do GM, às vezes fico pasma com os argumentos que as pessoas arranjam para justificar as suas escolhas. Se, por um lado, respeito as razões de quem não consegue adaptar-se a este tipo de férias, por outro não consigo mesmo compreender os argumentos encontrados por essa internet fora que são favoráveis à prática – atenção, que o trabalhinho de pesquisa na net foi 100% do GM, que eu não me dei ao trabalho. Limitei-me a copiar.

Senão, vejamos:

"Pode-se vestir todas as roupas velhas. Sim, aquelas t-shirts sem cor, ou jeans todos rasgados que adoramos mas não conseguimos deitar fora nem arranjar a ocasião certa para as vestir." – What??? Eu não visto roupas velhas. É tão mau vesti-las no campismo, como para andar por casa, como se fosse uma “sopeira azeiteirolas”. Uma mulher tem de estar sempre com bom aspecto. Adequada, mas com bom aspecto. E calções, top’s ou havaianas não têm de ser velhos… Pelo menos os meus!

"Os miúdos não precisam de se lavar antes do jantar, afinal entre as casas de banho e a tenda encontram-se em média 100 metros de terra e poeira." – Aposto que quem escreveu isto deve ser daquelas pessoas que não lava os dentes depois de almoço porque ainda vai comer, ou não faz a cama de manhã porque logo se vai deitar! Claro que os miúdos têm de se lavar antes de jantar... e antes de se deitar, e sempre que necessário. Assim como os graúdos. Ou somos todos “porquinhos”?

"Aprendemos a dar valor às pequenas coisas e a apreciar os luxos domésticos. Como por exemplo um autoclismo que funcione." – Ahhhhhh…. Com que então, um autoclismo que funcione é um luxo doméstico! Sinceramente!!! Tenho para mim que, se um autoclismo não funciona, qualquer parque de campismo que se preze “sela” essa instalação sanitária para a respectiva manutenção. E se o “não funciona” corresponde ao “não ser usado” pelo utente…. Então estamos mal! Vamos lá analisar o tipo de frequência desse parque e avaliar se vale a pena voltar. Não é por eu gostar de campismo que gosto de estar em locais mal frequentados. E este princípio aplica-se a hotéis, restaurantes e demais serviços que utilizo nos meus tempos de lazer. Se não gosto do ambiente, dos hábitos e maneiras e das pessoas que por lá param, não volto. Assunto resolvido.

"Temos oportunidade de partilhar actividades e socializar com outras famílias." – ehhh pahhh! Isso é que não! Se eu não sou amiga dos vizinhos lá do prédio, também não vou ser amiga dos gajos da tenda mais próxima! Comigo, é cada um na sua! Poucas confianças.

"É mais barato que um hotel." – Isso depende. Depende do Parque e depende do hotel. Um bom parque de campismo custa aproximadamente 50 euros por dia para um casal com um filho. Sem qualquer extra. O que não é assim tão barato, para se dormir numa tenda e tomar banho num balneário. É um facto que há parques mais baratos, mas depois lá damos connosco a lavar a loiça com água fria e com o dilema do autoclismo...

E, por fim, os poucos argumentos válidos que encontrei nessa lista:

"Tem-se a oportunidade de comungar com a natureza." – Aqui sim. Esta é de facto a mais fantástica característica do campismo. Fazer um serão à conversa, sentado numa cadeira sob os pinheiros, com o céu repleto de estrelas e a ouvir a ondas a rebentar ao fundo, é maravilhoso. E acordar com o som dos passarinhos e do mar. E o cheiro a caruma e a maresia… Melgas, moscas, osgas e formigas… tudo faz parte!

"Faz-se exercício." – e é bem divertido. É uma estafa que nos enche de energia e boa disposição. 100 metros para lavar os dentes, outros 100 para fazer xi-xi... Vamos lavar a loiça, vamos a pé à praia. Vamos a pé ao café…

Para mim, há apenas uma justificação para gostar de "montar a tenda": é pelo prazer que me dá!

P.S.: Isto tinha aqui uma música. Mas o vídeo não estava a funcionar. Portanto, como não me ocorre mais nenhuma que faça sentido aqui... ficamos sem música. Por hoje.

1 comentário:

.:GM:. disse...

Ainda bem que te inspiro! Eheheh. ;-)