sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Ao meu Amorudo!

Feliz Aniversário!!!

Queria escrever-te um poema,
de amor... forte. Profundo.
Mas faltaram-me as palvras,
Que exprimam o quanto te amo
e a cor que dás ao meu mundo!

Queria escrever-te um poema,
que soe como uma canção.
e deixá-la subtilmente
entre os lençois onde à noite
nos perdemos de paixão!


Queria escever-te um poema,
e dar-te tudo o que desejas.
Falar-te das "borboletas"
que sinto dentro de mim
de cada vez que me beijas!

Queria escrever-te um poema,
intenso, incondicional.
Oferecer-te o meu amor
e entregar-me nos teus braços
neste dia especial!


LOVING YOU IS EASY, CAUSE YOU'RE BEAUTIFUL!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Um dia muito feliz!

Foi isto que desejei hoje ao meu maninho "Espalha Brasas". Ele tem passado momentos dificeis. De coração destroçado. Perdido, com dúvidas e muita hesitação. E este foi, sem dúvida, o seu aniversário mais complicado.

Por isso, desta vez, o desejo de um dia muito feliz foi, talvez, descabido. Também já passei por isso, e sei que este dia foi tudo menos feliz. Mas nós - esta família louca e "alto astral" que lhe calhou na rifa - estamos cá para o animar!

E o que hoje parece um caminho escuro, amanhã estará iluminado e cheio de vida. Porque tudo muda, e as grandes decisões fazem de nós melhores pessoas.

O final de algo, é apenas o mote para o princípio de uma nova aventura. A vida é mesmo assim!

Feliz Aniversário! Força, mano!



terça-feira, 27 de outubro de 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Quando não mudar... é mau!

É muito bom quando as pessoas que nos rodeiam não mudam e podemos sempre saber com o que contamos. Dá-nos a tranquilidade de um porto seguro e, estando a falar do universo das relações humanas, não mudar proporciona-nos uma agradável sensação de estabilidade.

Podemos estar sem ver ou sem falar com alguém por algum tempo e depois, quando se proporciona o reencontro, parece que foi ontem. Eu gosto muito dessa sensação.

Mas recentemente, descobri uma excepção a essa regra - há pessoas que não mudam, e isso também pode ser aborrecido. Só depende da ocasião em que se cruzam no nosso caminho e da condição em que se cruzam.

Eis a história, resumidamente: nas minhas andanças de rapariga solteira que durante algum tempo fui, conheci um homem que, a dada altura, considerei bastante interessante. Não tinha o factor “uau”, é certo, mas é um homem bonito, inteligente, muitíssimo culto e bem sucedido. Ou seja, o que se chamaria de “bom partido”.

Por diversos motivos - que não vou enumerar, mas que ainda bem que aconteceram - deixámos de nos falar ou manter qualquer contacto durante algum (muito) tempo.

Contudo, recentemente, ele resolveu reaparecer e contactar-me (via messenger, entenda-se), e é incrível constatar como a mesma conversa de sempre, com a mesma pessoa de sempre, agora me parece imensamente aborrecida!

Como é possível que ele não tenha evoluído nem um milímetro? Tem os mesmos problemas, as mesmas dúvidas existenciais. Está na mesma etapa da vida, a fazer exactamente o mesmo, no exacto ponto em que estava quando deixámos de falar. Tem as mesmas opiniões, temos as mesmas divergências… E agora, a mesma conversa de “caracácá”, aborrece-me brutalmente!

Nem imaginam a vontade que tenho de lhe dizer “por amor de Deus, cala-te e não me aborreças!”… para depois bloqueá-lo na minha lista de contactos!

Mas enfim, sou uma pessoa educada, e não tenho nada contra o mocinho. Ele vai falando comigo e eu vou respondendo…

… Ai, mas um dia destes….



sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Humor... By mother nature!



A natureza ás vezes é "do caraças"!!!! Imaginem vocês que esta cenourinha foi mesmo apanhada numa horta de alguém que conheço... ehehehehe. Não resisti a partilhar!

Mas... isto é apenas uma cenoura. Tudo o resto é a nossa imaginação!

Bom fim-de-semana! Divirtam-se!


quinta-feira, 22 de outubro de 2009

It's raining again!

Sabem o que vos digo? Já tenho saudades do Verão!

Sim. Eu sei no que estão a pensar: as couves precisam, as vinhas precisam, os bichinhos precisam... Então e eu? Eu cá não preciso!- pelo menos enquanto me lembrar dos magníficos dias de Verão, na minha Sesimbra ou nas ondas da Caparica! Dos almoços nas esplanadas sobre o mar. Dos finais de tarde no petisco. E de poder andar de Havaianas (adoro-as!).

E agora? Chega a chuva. E, com ela, os azelhas que não sabem que não se conduz da mesma forma em piso molhado. E os outros azelhas (os municipais) que não sabem que as sarjetas acumulam lixo, e que este não se vai embora sozinho!

E as notícias das cheias na baixa, como se fosse um furação no México ou um Tsunami na Tailândia!

E chegam as botas (e eu detesto botas). E os casacos, pesados e que nunca sabemos onde guardar. E o ar condicionado no escriório num forno, e depois a rua num gelo...

E pior ainda: chega a noite às seis da tarde!

E eu, como não posso hibernar, vou contar os dias para o Verão!

(e pronto, foi o meu momento de egoísmo do dia!)

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

A conquista.

Uma coisa que considero importante numa relação a dois, entre variadíssimas outras coisas de importância não menos pertinente, é a arte de continuar a surpreender o outro, mês após mês, ano após ano.

É difícil. Eu sei. Já passei por um longo casamento, que falhou. Já passei por curtos “pseudo namoros” que não vigaram.

E passo agora pela descoberta de um novo grande amor. Talvez, quem sabe, e no que depender de mim, o amor para o resto da minha vida (agora, é como quem diz - já lá vão sete meses de grande felicidade!)

Aos poucos, começamos “a juntar os trapinhos”, como se costuma dizer. Já não temos idade (e sobretudo, paciência) para namoricos de porta de escada. Daqueles em que cada um vive na sua casa, com os seus hábitos e manias. Daqueles namoros em que ele nos vem buscar para sair, aperaltamo-nos como se fossemos ao baile, e depois ele nos devolve ao fim da noite com uma beijoca repenicada a assemelhar-se ao chamado “marmelanço”, à porta do nosso prédio!

Pois bem, juntemos então os trapinhos! Partilhemos a vida e, com ela, todas as suas rotinas… E é aí que começa a parte difícil – é aí que começa a verdadeira conquista.

Sim, que a conquista pelo “marmelanço” é boa, faz todo o milagre inicial, mas pertence a outro capítulo. A verdadeira conquista faz-se depois de juntar os trapinhos.

Ele passa a ver-nos acordar diariamente com o cabelo desgrenhado e aquelas olheiras (e acreditem que o meu lindo cabelo aos caracóis bate recordes pela manhã!). Passamos a ouvi-lo ressonar, e ele a nós. Ele tem que aguentar o nosso péssimo humor quando chegamos a casa, ao fim de um dia de loucos no escritório, e ainda temos o jantar para fazer. Nós temos de gerir o seu silêncio quando as coisas correram mal no escritório. Temos de viver com os pelos da barba dele que ficam no lavatório, com as garrafas da cervejola e as duas horas de futebol ao domingo. Ele tem de sorrir, mesmo com centenas de cabelos espalhados pelo chão ou um soutien acidentalmente esquecido no bidé… com a maquilhagem, as toalhitas desmaquilhantes, os tampões…

Partilhamos a vida. E partilhamos as camas para fazer, as compras no supermercado, as contas para pagar. Ir buscar a miúda, fazer o jantar. Jantar em família, meter a louça na máquina, preparar tudo para amanhã. Partilhamos também o estado extenuado ao fim do dia.

E, no fim disto tudo, ainda partilhamos a vontade de manter acesa a chama e fazer o outro feliz.

É por isso que agora é que começa a verdadeira conquista. A conquista que se faz nos pequenos gestos do dia-a-dia. Como quando adormeço no sofá e ele me leva até à cama, me tapa e me dá um beijo antes de dormir. Quando me envia poemas lindos pela Internet. Quando me vê sair de manhã, e depois me manda uma mensagem a chamar-me “giraça”. Quanto trocamos SMS românticos, ou outras vezes “marotos” ou mais “picantes”. Conquista-me em todas as vezes que me diz, olhos nos olhos, “amo-te!”.


Esta é a verdadeira conquista! A díficil. E a que quero manter, por todos os dias do resto da nossa vida!


quinta-feira, 15 de outubro de 2009

“Brasucas” ? Pelos vistos, somos (tão maus) como eles!


Mesmo tendo já sido quase apedrejada publicamente em vários formatos - via Internet, entre amigos, em conversas de copa no escritório, etc, etc, etc – continuo a ter a mesma opinião. “Brasucas”? Nós, somos tão maus como eles. Ou pelo menos, tão burros.

Pelos vistos, ao que parece, só eu e o Miguel Sousa Tavares é que continuamos sem perceber que raio de ofensa tão grande é que a Maitê Proença fez ao povo Português (e refiro “ao que parece, o Miguel Sousa Tavares” porque assim mo disseram num comentário de um blogue que frequento, mas ainda não confirmei).

Com isto não quero defendê-la, até porque não tenho qualquer opinião quanto à senhora – nem sequer como actriz, pois nunca na vida acompanhei uma novela. Com isto, pretendo apenas ignorá-la.

Acho deveras lamentável que se dê tamanha notoriedade a uma coisa tão sem interesse. Se todas aquelas parvoíces, que pretendiam ser um programa de humor, fossem ditas por um puto da preparatória, olhava-se para ele de lado e pensava-se “coitado, está na idade parva!”.

Mas não. Foram parvoíces ditas por uma actriz brasileira. Portanto, é quase como um incidente diplomático!

A única reacção que tive depois de ver o vídeo no Youtube, que me chegou num e-mail acompanhado de um rol de disparates sobre a enorme ofensa aos Portugueses, ao Camões e uma “cuspidela na fonte” foi: “Coitada. Continua na idade parva!” e, posto isto, encerrei o assunto na minha cabeça, que tem mais com que se ocupar.

Mas é inevitável voltar a ele, porque depois veio o e-mail de resposta. E de resposta à resposta. E um e-amail de votação… francamente!!!!!

Afinal de contas, parece que somos tão maus (ou piores) que eles. Será que ninguém percebe que a Maitê apenas fez uma figura triste pessoal e nada mais? E a figura que estamos nós a fazer ao dar-lhe tanto interesse? Até aos telejornais ela teve direito!!!!! Será que nos sentimos picados porque no fundo, no fundo, também temos telhados de vidro? Será que é por causa de todas as “graçolas” que sempre fizemos aos Brasileiros (a começar por lhes chamarmos “Brasucas”, para nem referir as piadolas que fazemos publicamente, em anúncios e outras coisas que tais)!

E, para provar isso mesmo, aqui fica a ultima piada brasileira (obrigada ao meu amigo "Pirata" pelo envio do e-mail). Humor de qualidade…. Ehehehehe



E, para terminar, deixo-vos uma MÚSICA BRASILEIRA, de um GRANDE ARTISTA BRASILEIRO, e que até se aplica aqui - pelo menos à ideia com que ficámos da Maitê….


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A pouco mais de uma hora...

É o "agora ou nunca"...

Eu gostava muito de ver os "nossos meninos" no mundial. Uns mais que outros, é certo. Mas gostava. Nem sei se é o Patriotismo, se é orgulho nacional. Se calhar é porque, como dizia o outro, "o fado é que induca, o futebol é que instrói!"

Seja como for, sigam à Letra a música:

Heróica e lusitana gente vamos em frente mas cumbictamente
Vá la cambada infantes desportistas,
Homens de conquistas
Povo que és o meu!
Bola redonda e onze jogadores
Eem frente sem temores que as tacticas dou eu!

Tragam as gaitas, as bandeiras e a pomada
Bamos dar-lhes uma abada, ensinar-lhes o que é bom
Bamos mostrar a esses escarafunchosos
Por momentos gloriosos
Quem é a nossa seleccõe!

Bamos la cambada,
Todos à molhada
Que isto é futebol total
Deixem-se de tretas,
Força nas canetas,
Que o maior é PORTUGAL!

É atacar agora, e defender para fora
Eles sao toscos, nem dao para aquecer
Suar a camisola e até jogar sem bola
E disfarçar para o arbitro nao ver!

No intervalo, solteiros contra casados,
fandangos, chulas e fados
Para aprenderem como é
Durante o jogo, qualquer caso la surgido
Só pode ser resolvido à cabeçada e ao pontapé !

...


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Update... para melhor!

Uma semana sem escrever... portanto, devo um "update"!

O tal projecto não se concretizou... Não faz mal! Estou feliz na mesma! Bastou mudar de perspectiva, ver as coisas por outro prisma e perceber que tinha muito mais a ganhar assim.

Portanto, muda-se a estratégia e mãos à obra!

Ainda por cima hoje é sexta! O sol vem aí! E eu estou muito apaixonada (cada vez mais!)

Amorudo!... és fantástico!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Optimista...

Xiça!!! (perdoem-me o termo, mas confesso que até me apetecia usar um pior!). Ontem estava mesmo mal!... Nem parecia eu, como me disseram as minhas meninas. Mas os miminhos do meu Amorudo fazem milagres, e cá estou eu de volta a todo o gás!

Além disso, eu nem sou mulher de maus humores ou depressões. Mas, às vezes, a nossa paciência esgota-se. E ainda por cima ando com alguma ansiedade, à espera de respostas num projecto pessoal...

Hoje, ao contrário de ontem e depois dos tais miminhos e de uma noite bem dormida, estou optimista.

Tudo tem, realmente, um lado positivo. Se não avançar esse projecto - coisa que nem se equaciona, porque eu acredito que o merecemos, e que "lá em cima" tudo joga a nosso favor - tudo será fantástico na mesma! Porque há alternativas! Porque basta querermos! ...E porque estamos juntos!

I believe I (we) can fly!!!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

I'm not in the mood....

Hoje sinto-me assim! Nem pareço eu!
Não sei bem porquê mas, ao mesmo tempo, sei perfeitamente. É um misto de cansaço, ansiedade e inseguranças... Provoca-me tristeza, alguma intolerância à estupidez alheia (que parecia estar especialmente em alta, hoje) e uma enoooooorme dor nos ombros.

E tenho estado todo o dia para aqui indecisa, entre a vontade de partir para violência, ou esconder-me do mundo num cantinho escuro que ninguém conheça, e ficar por lá até que me passe.

Mas não!... Vou resolver este assunto com uma dose extra de miminhos :-)......... vou já tratar disso!...