segunda-feira, 29 de junho de 2009

So long Michael!

Eu sei que este Post já vem um pouquinho tarde. Mas, mesmo assim, não poderia deixar de postar aqui qualquer coisa sobre este assunto, ou não fosse este Blogue tão estreitamente ligado à música.

É um facto que cresci ao som de ícones do Pop dos anos oitenta, e o Micheal Jackson é indiscutivelmente a mais marcante dessas figuras. Relembro o quanto fiquei fascinada a primeira vez que vi o Thriller - muito melhor que qualquer filme de terror que passava por essa altura nos televisores lá de casa e que, ainda por cima, estavam confinados à existência da RTP.

Ficávamos estupefactos com os seus elaborados passos de dança. Todos queriam dançar assim.

O cabelo, os gestos, o sapato preto com meia branca... cada detalhe da sua imagem era pensado ao pormenor.

Depois vieram as polémicas. O declínio do artista. Especulações, opiniões e tantos jornais e revistas vendidas, por conta das mais mirabolantes histórias - verdadeiras ou não - que inevitavelmente tiveram as suas consequências na carreira de Micheal Jackson.

Eu nunca liguei grande coisa a revistas cor de rosa - até porque a minha Mãe sempre me ensinou que "quem mora no convento é que sabe o lá vai dentro!". E por isso, neste momento, apenas me apetece dizer que sinto muito a sua morte.

Sinto muito porque sempre gostei do Micheal Jackson. E porque tinha apenas 50 anos e é sempre triste morrer aos 50 anos.

Enquando cantor, considero que até os seus mais recentes e desconhecidos albuns têm músicas de grande qualidade.

Enquanto ser humano, penso: de que vale ter fama e sucesso, se todos temos o mesmo fim? Assusta-me pensar que é possível ser tão famoso, rico e reconhecido e acabar por morrer sozinho! Sometimes, life sucks!!!!

Fica então, em sinal de homenagem, a minha música preferida da carreira do Michael Jackson - Man in the Mirror.

Não deixo o vídeo original, pois considero que é demasiado violento e nem eu consigo vê-lo sem que me cause algum sofrimento. Mas esta música sempre me transmitiu uma mensagem deveras importante: todos podemos mudar o mundo, e devemos começar por nós próprios!

So long, Micheal!


quinta-feira, 25 de junho de 2009

Good Morning... To you!

Eu acordo sempre bem disposta. O despertador toca e, automaticamente salto da cama, como se estivesse prestes a começar um novo capitulo de uma aventura. E é sempre assim. E sempre foi.

E tenho o maior prazer em acordar os outros “inquilinos” lá de casa com muitos beijinhos e brincadeiras. Gosto de fazer o dia dos outros começar cheio de alegria!

Nunca consegui perceber muito bem aquelas pessoas que ficam “só mais cinco minutos”, depois mais cinco, e depois mais cinco, e mais cinco… e quando dão por ela estão atrasadas, ficam mal dispostas e “encrencam” a agenda do dia todo. Nem as pessoas que começam o dia sem dizer uma única palavra, com cara de poucos amigos e sem aguentar que falem com elas durante uma horita ou duas.

Eu tenho um imenso prazer em entrar na banheira e tomar um duche reconfortante, com direito a cantoria e tudo! E depois, saio da casa de banho e distribuo beijocas repenicadas e abro os estores para o sol entrar (ou apenas a luz, se for Inverno). Faço a cama, que eu (quase) nunca saio de casa com a cama por fazer, tomo o pequeno-almoço em boa companhia - ainda que a correr – e vou trabalhar. Canto alto no carro, e farto-me de rir sozinha com os disparates na rádio (Comercial).


Entro no escritório sempre com a mesma energia e boa disposição!

… Conclusão: Sou mesmo louca!!!!


terça-feira, 23 de junho de 2009

Aventuras no campo

Dito assim, parece o título de um daqueles filmes porno de realização dividosa e elenco saloio... Mas não!!! Desengane-se quem assim pensou. Este é mesmo o Post que aqui faltava, a pedido de muitos leitores e amigos, doidinhos para saber o resultado do meu Baptismo de Campista!

Pois é, tenho a dizer-vos que... tchan-tchan-tchan-tchan... (os efeitos sonoros aqui não são grande coisa)...
A-D-O-R-E-I!!!!


Claro que ainda não estamos em época alta. A tenda mais próxima era de alguém que estava connosco, e a segunda tenda mais próxima - de um desconhecido, entenda-se - ainda estava a alguns largos passos. Ah, e o balneário ainda não tem "horas de ponta".

Mas gostei de dormir numa tenda. E gostei de acordar ao som dos passarinhos, entrecortado pela bela discussão conjugal do casal da tenda lá de baixo - ficámos todos a saber que a rapariga "é muito boa, mas é calada!", e ficámos devidamente informados sobre a quantidade de sítios desadequados para onde gostam de ir os dois (sim, que ambos se encarregaram de mandara o outro para os sítios mais indescritiveis).

Quanto ao contacto com a natureza, apenas tenho a dizer que uma aranha aqui, uma lagartixa ali, um escravelho acolá, não matam ninguém! (ehehehehe... esta foi só para vos impressionar, que eu não tenho medo de bichinhos à toa)

Bom, agora fora de brincadeiras e parvoíces: admito que me diverti. E muito!

Gostei imenso da sensação de liberdade. Da sardinhada, em calções e havaianas. Do cheiro do mar pela manhã. De ir lavar a loiça de alguidar debaixo do braço. Gostei mesmo do espírito da coisa!

Claro que não deixei de gostar do meu "fim-de-semana ao estilo Resort", num Pestanazinho em cima do mar.

Mas aqui, o espírito é outro... é como em tudo na vida. E eu sou assim. Posso gostar de cozinha de autor em restaurantes gourmet, mas também sei apreciar os caracóis da colectividade lá do bairro!!!

E pronto... com estas "noites quentes" e o sabor a Verão, aqui fica o Travolta e o "Summer Nights", que me faz sempre viajar até às minhas férias de infância...


sexta-feira, 19 de junho de 2009

Let's Go Camping

E cá vou eu embarcar em mais uma nova aventura!!! Como diz um grande amigo meu, eu sempre adorei acampar... desde que fosse num Tivoli (vá, um Pestana também sempre me serviu...)

Mas agora, aos (quase) 37 anos vou acampar pela primeira vez na vida!!! Dormir numa tenda, num saco-cama sob a luz da lua, sem os luxos do meu 4 ou 5 estrelas com cama king-size e com pequeno-almoço buffet.

Vai ser uma experiência nova e, estou convicta, até vai ser engraçado.

Perturba-me o facto de não ter uma casa de banho só minha, com um cestinho cheio de champôs e gel de duche em miniatura, e um selo em volta da sanita que ateste que antes de mim, passou por lá o pelotão de desinfecção (ainda que por vezes até eu duvide dele).

Vou concerteza sentir falta do comando do ar condicionado. E do mini-bar, atestado de garrafinhas pequeninas e chocolates - embora na maioria das vezes apenas olhe para ele, e me divirta a ver as variedades de bebidas "de brincar" com preços tão proíbitivos que me fariam pensar tratar-se de garrafas de litro, se não as visse. Vou sentir falta do ritual de abrir a porta com um cartãozinho mágico tipo multibanco, que também acende as luzes e que, quase religiosamente, eu acabo por perder.

Mas, por outro lado, acredito que vá adorar a sensação de liberdade de dormir com o som do vento nas árvores e do mar ao fundo ("qual vento???" perguntam vocês... está um calor que nem se pode!). Vou divertir-me muito a lavar o bikini num tanque. Vou adorar a despreocupação de poder andar de calções e havaianas por todo o lado!

E acima de tudo, vou adorar poder partilhar os hábitos de vida do meu "companheiro de viagem". Porque o amor é isso mesmo: algumas cedências e muitas descobertas. Ele tem feito muitas... é a minha vez!

Estou ansiosa por esta nova experiência!... E depois deste fim-de-semana de aventuras, cá estarei com novidades!!!! Aguardem-me!


quinta-feira, 18 de junho de 2009

O meu poema

Hoje, volto a publicar um poema que escrevi há algum tempo... acrescento-lhe apenas uma linha: "Bem-vindo, companheiro de viagem!!!!".

Ao que parece, lá em cima Alguém escutou o meu pedido. "Thank you Stars" (Katie Melua)


Tenho tudo…
e o que me falta?
Alguém que corra para mim.
Alguém que me veja rir, e se sinta renascer.
Alguém que me olhe e faça o meu mundo ruir.

Tenho tudo…
e o que me falta?
Falta-me a partilha de um beijo,
que desencadeie um incêndio.
Falta-me uma mão que me toque, não só o corpo, mas alma!
Falta-me o calor de uma presença,
que procure o meu calor.

Tenho tudo…
E o que me falta?
O lugar ocupado, ao meu lado, no sofá.
A ver um filme parvo, numa tarde cinzenta de sábado.
Falta-me pousar a cabeça no seu colo, e assim ficar.

Falta-me partilhar, este tudo que tenho.
Sem obrigação, sem cobrança.
Mas com o entusiasmo de quem tem
o sangue a correr nas veias.

Falta-me quem queira entrar neste comboio,
Que olhe comigo pela janela,
Viva a paisagem, e sinta o vento na cara.
Alguém que parta comigo,
Sabendo apenas que partimos daqui.
E embarque sem saber a estação de destino!


Bem-vindo, companheiro de viagem!!!!!