sábado, 28 de fevereiro de 2009

Companheiro de Viagem

Tenho tudo…
e o que me falta?
Alguém que corra para mim.
Alguém que me veja rir, e se sinta renascer.
Alguém que me olhe e faça o meu mundo ruir.

Tenho tudo…
e o que me falta?
Falta-me a partilha de um beijo,

que desencadeie um incêndio.
Falta-me uma mão que me toque, não só o corpo, mas alma!
Falta-me o calor de uma presença,

que procure o meu calor.

Tenho tudo…
E o que me falta?
O lugar ocupado, ao meu lado, no sofá.
A ver um filme parvo, numa tarde cinzenta de sábado.
Falta-me pousar a cabeça no seu colo, e assim ficar.

Falta-me partilhar, este tudo que tenho.
Sem obrigação, sem cobrança.
Mas com o entusiasmo de quem tem

o sangue a correr nas veias.

Falta-me quem queira entrar neste comboio,
Que olhe comigo pela janela,
Viva a paisagem, e sinta o vento na cara.
Alguém que parta comigo,
Sabendo apenas que partimos daqui.
E embarque sem saber a estação de destino!


"Use Somebody", Kings of Leon


terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Música para “aquele clima” - refresh

Há alguns meses – mais precisamente no início de Agosto – fizemos aqui um Top Ten de Música para “aquele clima”. Foi feito com as sugestões de quem por cá passava nessa altura, e os resultados ainda estão aqui do lado direito da página.

Mas hoje, ao ouvir esta música, achei que estava na hora de fazermos um “refresh”!!!

Em grande parte porque o número de visitantes da minha “humilde casinha” aumentou imenso, mas também porque são estes pequenos “desafios” que me permitem conhecer um pouquinho melhor quem me visita.

Por isso vos pergunto:

Qual a música que escolheriam para criar "o tal clima"? Ou seja, qual a música que consideram mais sensual, mais romântica, ou mais seja-lá-o-que-prefiram, para servir de banda sonora à paixão?

Fica apenas um aviso: como quem manda neste Blogue sou eu (eheheh… é a minha veia ditadora em acção!) recuso-me a retirar do Top o tema dos Klepht. É que tenho fortes razões para o manter, mesmo que mais ninguém vote nele. É uma questão pessoal! :-)

Mas desta vez, deixo também outra escolha!!!


É que eu, que nem gosto muito do Rui Reininho, tenho de dar o braço a torcer: esta adaptação do “Bem Bom”, está bem boa!... E o vídeo é fantástico! Entendo-o como uma mistura de magia circense e cabaret, ilustrando um ritmo que considero que ficou repleto de sensualidade. Mais uma fantástica realização, “made in Portugal”.

E pronto… Agora fico à espera do vosso contributo!!!



quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

O meu verdadeiro Eu...

Pois é.... aqui fica a revelação das minhas mentiras, disfarçadas entre as minhas verdades, e com as respectivas justificações.

- Sou a mais velha de quatro irmãos.
Sou sim senhora. Mas como também sou a única "menina", sou tratada como a princesa. Os meus manos são fundamentais na minha vida. São os meus pilares!


- Tenho duas filhas lindas, e parecidíssimas comigo.
Não. Tenho apenas uma filha linda, igualzinha a mim! Mas lembrei-me de dizer isto porque também tenho uma sobrinha linda, que é muito parecida comigo, e quando saio com as duas "piolhas" toda a gente pensa que são irmãs.


- Adoro viajar e andar de avião!
Não. De facto eu adoro viajar... Mas tenho pavor de andar de avião! Portanto, faço-o porque consigo racionalizar o medo, e não quero deixar de conhecer o mundo por causa de uma parvoíce dessas... Mas, sinceramente, prefiro viajar de carro, barco, comboio... Enfim, mariquices! Vá lá saber-se porquê.

- No dia a dia, não uso qualquer maquilhagem!
Mentira. Uso-a sempre. A maquilhagem é a melhor amiga da mulher!!!! Claro que sem excessos. Uma coisa discreta, de forma a realçar o que tenho de bom e "disfarçar" o que tenho de menos bom...


- Descobri recentemente que sou doida por Sushi!
É verdade. Descobri há menos de um ano, mas cada vez gosto mais. Sim, tenho tido bons "conselheiros", é um facto, e considero hoje que o Sushi é como o Vinho Tinto: apreciá-lo requer maturidade e aprendizagem.


- No meu casamento fui eu que esperei 30 minutos pelo noivo (se calhar foi por essas e por outras que o "despachei"!! Ehehehe!! Não foi nada...).
É verdade, e já inclui todos os comentários que poderia tecer sobre o assunto.


- Sou muito romântica, mas não sou nada lamechas.
É verdade. Adoro que me surpreendam e acredito no amor, enquanto sentimento que comanda a vida! Sou uma pessoa de paixões intensas. No entanto, tenho verdadeira alergia a corações e coisas cor-de-rosa. Detesto que me chamem diminutivozinhos... detesto esse lado "enjoativo" do amor. Comigo, tem de "abanar tudo" cá dentro!


- Últimamente choro sempre no cinema!... e cada vez choro mais! Estou uma chorona, e tem vindo a piorar.
Também é verdade. E isso não quer dizer lamechas, apenas quer dizer que sou
sensível (esta justificação vai direitinha para o Sérgio, que comentou o meu post). É que não é de todo a mesma coisa! Lá porque choro nos filmes, não ando por aí a "derreter-me" a torto e a direito!...

- Tenho amigos que se mantêm na minha vida há mais de trinta anos.
Tenho! E são pelo menos duas pessoas que se mantêm "de pedra e cal" na minha vida, há mais de 30 anos! A sofia, que é a minha alma gémea - a minha melhor amiga, e sobre quem já tantas vezes aqui escrevi. Nem me lembro quando a conheci, mas o certo é que com 4 anos já andávamos juntas na patinagem. E a Patrícia, que também me acompanha quase desde a mesma altura. Entre outros, que conheço desde sempre....




E pronto! Foi mais um bocadinho de mim!



Ahhh... e música? Hoje, já que me estou a revelar, fica a "minha música"! Não sei porque gosto tanto desta música, mas gosto mesmo muito. Desde sempre. Elegi-a como "a minha música" porque não há nenhuma outra que me dê tanto prazer ouvir como esta. Arrepia-me desde o primeiro acorde! Prince, Purple Rain.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

A Lista


Hoje, partilho com todos vós o que o Pedro Ribeiro partilhou comigo!... Comigo, salvo seja! Comigo e com os mais que muitos "bloguistas" de bom gosto, que acompanham os seus dias!

É a Lista "100 Graetest Singers of All Time", pela Rolling Stone.

Alguns dos nomes que surgem nesta lista são discutíveis. Principalmente face a grandes nomes que eu considero estarem em falta. Por exemplo, como é possível encontrar entre os 100 melhores, uma Christina Aguilera ou uma Mariah Carey (sim, é apenas uma questão de gosto pessoal, mas destesto ambas) e não ver incluído na lista um nome como Frank Sinatra ou Sting?

De qualquer das formas é uma interessante incursão pela música, sem a qual eu não saberia viver! E uma compilação muitíssimo justa. E interessantíssimos testetmunhos...

Fica a primeira da Lista, que aparece também em primeiro na minha lista: Aretha Franklin. "(You Make Me Feel Like) A Natural Woman".


sábado, 14 de fevereiro de 2009

Celebração

Hoje, já que é Dia de S. Valentim,
junta-se o "Clube do All by Myself",
e vamos dançar até ser dia!...
no
sítio do costume!

Volto já, com os pézinhos feitos num oito!...

... Espero ouvir isto!....

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O primeiro amor.

Na minha vida, apenas estive verdadeiramente apaixonada duas únicas vezes: pelo homem com quem dividi quase vinte anos e, antes disso, pelo meu primeiro amor.

Éramos uns miúdos. Estávamos a descobrir a vida e a descobrir a paixão. Estávamos a descobrir-nos. E vivemos um grande amor, com a intensidade própria dos nossos 15 anos. Fomos o primeiro amor um do outro, e isso fica para sempre!

Marcámos irreversivelmente as nossas vidas. Mas, como todos os amores de adolescência, tudo acabou alguns meses depois (oito meses e meio, para ser mais exacta). Deixámos de nos falar e de nos ver. E, apesar de mantermos alguns amigos em comum, passaram 20 anos sem sequer nos cruzarmos!

Vinte anos depois, ainda nos lembramos do nome completo um do outro. Eu ainda me lembro da data do seu aniversário, dos nomes das irmãs, da decoração da casa dos pais dele. Ainda me lembro da fotografia que me deu, vestido com a farda dos escuteiros. Ainda me lembro das prendinhas que trocámos nos dias especiais….

E, porque o mundo é um quintal, hoje reencontrei-o!

Um homem totalmente diferente. Bonito, tal como há 20 anos, mas totalmente diferente. Outras feições, menos cabelo e alguns brancos. Mais rugas…. Mas o mesmo olhar. Reconheci-o, depois de 20 anos, não porque as feições sejam as mesmas, não porque esteja parecido, e muito menos porque contasse vê-lo ali. Reconheci-o pela sua essência! Pelo que está para lá do olhar e da expressão.

E poderia reconhecer aquele olhar, nem que tivessem passado cem anos. Porque as pessoas que nos marcam, deixam em nós qualquer coisa que reconheceremos, mesmo que passe o tempo, mesmo que mude o corpo, mesmo que estejamos irreconhecíveis.

Porque é a essência das pessoas que nos marca.


E porque o primeiro amor é único!!!

Hoje, fica aqui a música que me transporta exactamente para o sítio em que nos conhecemos... A praia da Rainha, no Verão de 1987.

Whitesnake: Is this love?

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Tens o Diabo no Corpo...

... ou será "fico com o Diabo no Corpo"???

... ou será... ou ainda..........

... ah, pois é!... Hot, hot, hot!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Ele há cada estupidez!!! (Boicote a S. Valentim)

Hoje decidi incitar o Boicote ao Dia dos Namorados.

E não pensem que é porque não tenho namorado (o que, diga-se, é uma verdade... mas não está directamente relacionada com este Post!).

É, exactamente, porque acho que é uma estupidez comemorar-se uma coisa que deveria estar em permanente celebração. É quase como se agora houvesse um "dia mundial do estar vivo"!

E, além do mais, não se dão flores quando se esperam flores! Devemos surpreender quem amamos em pequenos gestos no dia a dia. Mas nunca o fazemos! Não! Como está instituído que é o Dia dos Namorados, oferecemos um bouquet de rosas, exactamente no dia em que elas custam para cima de um balúrdio, apanhamos uma camada de nervos a comprá-las e, ainda por cima, o efeito que causam é muito inferior a qualquer malmequer que se apanha num dia de sol, sem datas a assinalar!


Depois, que graça tem sair para jantar quando toda a gente sai para jantar? Levar com o "qué frô?" a interromper de cinco em cinco minutos. Olhar para a mesa do lado e ver mais um casal a "encher chouriços", sem tema de conversa, e a esforçar-se arduamente para parecer o casal perfeito no dia perfeito?

E finalmente chega o jantar: e o arroz numa forminha de coração, o tomate cortado em coração, o molho a desenhar um coração, uma cenoura esculpida em coração. Coração, coração, coração!!! Velas vermelhas, pétalas na mesa!.... Um enjoo!!!

Meus caros... Dia dos Namorados é todos os dias!!! Basta amar (ou nem tanto)!

... Ele há cada estupidez!!!

**********************************

E hoje, deixo-vos a música que marcou o meu dia. Não por estar relacionada com este boicote, mas porque me foi hoje enviada pelo meu mais recente amigo - que feliz coincidência!

The man who can't be moved (The Script)

A primeira vez

Na vida há sempre uma primeira vez para tudo. E hoje (ontem, dada a hora a que escrevo) foi a primeira vez que resolvi sair para jantar com uma pessoa que mal conhecia. Assim! Combinado no momento, e ao estilo “Blind Date”…

E, asseguro-vos, foi um fiasco!

Serei eu muito esquisita? Já não se fazem homens como antigamente? Ou terei eu os meus padrões de tal forma elevados, que já nada me cativa?

Não sei. O certo é que ali estava eu. A jantar no restaurante que eu escolhi (e que adoro), à luz de velas, com o Tejo à frente. Com um homem bonito, charmoso, quase nos quarenta…

Com o avançar da noite, ele foi perdendo o seu encanto… e revelando falhas naqueles pequenos detalhes a que dou tanta importância. Mas, acima de tudo, perdeu a graça porque falava apenas de si próprio, de uma forma narcisista que não tolero (e minto!.. que há uma única pessoa em que o narcisismo me encanta!). Só lhe faltava o acompanhamento musical para, em dueto com o Tim, cantar a plenos pulmões: “Eu cá sou bom, sou muito bom!”.

Não há paciência!!! No entanto, dei-lhe o benefício da dúvida….E ele não soube aproveitá-lo! E não só continuou focado apenas no seu próprio umbigo (juro que nunca vi ninguém falar tanto e tão bem de si próprio!) como ainda por cima fazia comentários descabidos sobre as pessoas que nos rodeavam, falava alto e causava-me algum embaraço… Enfim, um tipo com piada!... (Achava ele, é claro!!!)

Em suma, foi exactamente como qualquer outra “primeira vez”: uma porcaria!

Talvez na próxima seja melhor!


domingo, 8 de fevereiro de 2009

Rotinas de Domingo

Detesto rotinas. Mas há aquelas rotinas que me fazem muito feliz. E uma delas é, nas manhãs de Domingo, sair de casa sem pressas e ir tomar o pequeno almoço ao café do costume, demorando-me a ler o jornal do dia.

É como que um ritual, que cumpro religiosamente. Gosto especialmente daquele café aos domingos de manhã. Boa música. Sem o reboliço das noites de sexta ou sábado. E sem aquele entra e sai de malta conhecida, que também é tão agradável - ali todos se conhecem, todos se falam. Mas, ao Domingo de manhã, a Tertúlia é quase um "retiro espiritual".

E hoje, durante o meu "retiro espiritual", deliciei-me com dois artigos com conteúdos completamente opostos, que encontrei na revista do Correio da Manhã (sim, que na revista ainda passo os olhos, mas ao jornal sou totalmente alérgica!).

Primeiro, uma entrevista à Cicciolina. Já nem me lembrava de tal figura! Mas remeteu-me de imediato para meados dos anos 80, altura em que a Diva do Porno enveredou pela vida Política. Foi por essa altura que e veio a Portugal e marcou de alguma forma este país conservador e de brandos costumes. Não se falava noutra coisa a não ser no espectaculo no Coliseu e na sua visita ao nosso Parlamento... E já lá vão 20 anos!... Mas o certo é que a Cicciolina continua a arrasar, nos seus 57 anos "enxutos"! E ainda consegue ser convidada como atracção do Salão Erótico do Porto.

Segundo, o lado humano, masculino e até sentimental de Salazar. Também ele escrevia cartas de amor! Também ele viveu o fogo das paixões. Também ele conquistou corações de mulheres que se apaixonaram pela pessoa que foi. Políticas à parte, se há uma coisa que me fascina sempre são histórias de vida. As histórias de vida de pessoas notáveis, que têm sempre um lado de comum mortal!... Daqueles que também amam, choram, sofrem e fazem sofrer. Venha agora a série sobre a sua vida!

E quanto a música, aqui fica a minha descoberta recente. Um registo completamente novo para o ex-soundgarden, Chris Cornell.


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Se eu fosse um Livro....

Vi isto no Blogue do Pedro Ribeiro. Pode ser apenas um jogo. Uma brincadeira daquela "cambada" que me anima as manhãs todos os dias.

Mas foi gira a coincidência. Quem me conhece, sabe que é verdade... se eu fosse um livro seria um livro em branco!!!




Pois é.... Unwritten! (Natasha Bedingfield)

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Adeus à Danceteria Lido!

Estávamos nos Gloriosos Anos '80!

Vestiam-se aquelas roupas que agora tornámos a vestir num estilo renovado. Ouvia-se aquela música que agora anima todas as festas temáticas benzocas (ou não) dos locais da moda.

Toda a gente sabia quem era a Shaka Kan. O George Micheal cantava o "wake me up before you go-go", abanando um ridículo penteado louro, ao estilo Princesa de Gales!... E os Queen ainda tinham o Freddy! E a Madonna cantava o "crazy for you". E dançavam-se slows!

Andávamos a pé ou de comboio... Poupávamos a semanada para ir às Matinés do Lido!!!!

Ahhh.... as Matinés do Lido! Como diz o Malato (arghhhh): Fui tão feliz nas Matinés do Lido!!!!

Hoje dissemos-lhe adeus!... Há muito que já lhe diziamos adeus aos poucos, pelo abandono a que foi largado. Hoje, o fogo acabou com o que restava.

Mas as memórias, essas ficam aqui dentro. Bem guardadas!!!

<

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Envelhecer

Lembro-me que, quando tinha 12 ou 13 anos, costumava deitar-me na cama à noite, e ficar para ali a pensar que o tempo era uma coisa terrivelmente lenta. Parecia que nunca mais passava. E eu teimava em querer crescer. Queria ser como as minhas primas mais velhas. Podiam sair à noite, tinham namorados. Ninguém lhes dizia “não te metas nas conversas dos adultos”!!!

E por isso, à noite deitada na minha cama, enfurecia-me por nunca mais crescer. Porque o rapaz do 12º ano nem sequer olhava para mim, mas namorava com a minha prima - que injustiça! Ou porque ainda me faltava uma eternidade para acabar os estudos. Ou porque tinha de esticar a semanada que me davam, e não podia ganhar um ordenado para fazer dele o que quisesse. E também porque me davam ordens: “tens de fazer isto, tens de fazer aquilo”.

Nessa altura, tudo parecia um drama! Uma nota menos boa na escola (o que, felizmente, era raríssimo), e parecia que o mundo ia acabar. Uma zanga com uma amiga era uma verdadeira tragédia!... Um desgosto amoroso?.... Oh, isso era o fim do mundo!

Não sabemos nada quando temos 12 ou 13 anos!!!

Mas também não sabemos nada quando temos 36! A única diferença é que, agora, o tempo não parece que está parado. Muito pelo contrário. Parece um cavalo a galope. Imparável.

Não sabemos para onde nos vai levar a nossa estrada. Mas sabemos que o tempo corre louco, e que temos de correr com ele.


Por isso, à noite deitada na minha cama, continuo a enfurecer-me. Enfureço-me porque não posso parar o tempo, ou porque as coisas não são como sonhei, e isso dói. Ou até mesmo porque já não tenho uma mesada, mas continuo a ter que esticar um tal ordenado. Porque tenho de fazer escolhas e, às vezes, custam-me tanto!!! Enfureço-me, porque mesmo que ninguém me dê ordens, continuo a sentir tantas pressões, tantos olhares, tantos julgamentos!

Agora, já não quero ser como ninguém. Quero ser exactamente como sou, e continuar assim. Agora, já aprendi que na vida todos os dramas são relativos. No tempo e no espaço. No onde e no como. Aprendi que os dramas de hoje, são pequenas recordações amanhã. Tudo passa. E é o tempo que relativiza tudo.

É por isso que não me assusta envelhecer. Porque a idade me dá experiência e conhecimento. Porque gosto de aventuras, e é uma aventura nunca saber o que vem a seguir.

Não me assusta envelhercer. O que me assusta é atravessar a estrada sozinha, e concluir que escolhi mal. O que me assusta, é um dia deixar de me enfurecer. Perder este entusiasmo e esta paixão que tenho em viver!


Mais do que envelhecer, assusta-me não saber fazê-lo!

I hope I'm Old before I die, Robbie Williams