quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Encerrando 2008!

Sendo hoje o último dia deste fantástico e memorável 2008, venho apenas dizer-vos três palavras:

ENTREM EM GRANDE!

Eu farei o mesmo. Ou, pelo menos, farei por isso!

E, exactamente por achar uma estupidez o "festejar, tem que ser", e nem me estar a apetecer minimamente ir para confusões, acabo de me "baldar" a duas festas (eheheh, má acção: utilizei cada uma delas como desculpa para não ir à outra!... depois eu confesso o que fiz!)

Decidi ficar a curtir a minha casa, a minha música e um filme que ali tenho. Com uma garrafa de bom vinho tinto (do Douro, para não variar) e um tal queijinho de ovelha!...

... E apetece-me ficar aqui, embrenhada neste estado de completa "flutuação" em que ando ultimamente!! Eu hoje não preciso de festa... é que, de há dois dias a esta parte, o meu cérebro foi totalmente monopolizado e está em autêntica festa!

All is quiet on New Year's Day
A world in white gets underway
I want to be with you, be with you night and day.
Nothing changes on New Year's Day.
On New Year's Day.

I... will be with you again.
I... will be with you again




P.S.:
E, aproveitando o clima de “más acções”, resolvi boicotar também as tradições (ou parvoíces) desta data. Como as doze passas e o espumante. Como uma lingerie nova, azul. Como a nota no bolso (esta confesso que nunca cumpri… e isso deve explicar os “apertos”!).

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Liberdade...21 ou outro número qualquer!!!!

Pronto!.... agora já consigo respirar!... já me refiz da emoção de ontem! É verdade.... pelo menos já consegui deixar de pensar nisso por uns momentos - os momentos necessários para ver um pouquinho de "Liberdade 21"....



Vejo só pelo motivo acima!... que é um grande motivo!!! Não há dúvida que "O que é Nacional é booooooom!!!! Eu estou cada vez mais fã....

E agora, desculpem lá, mas tenho de voltar ao meus pensamentos.... que está díficil tirá-los (ou tirá-lo) da cabeça!!!... É simplesmente "unforgettable"!....


segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

"2008 em Revista"... na TV!

Se ontem foi o dia de eleger os bons e maus da música, hoje é a vez da TV.

Sim, que vejo pouca... mas vejo! Normalmente, resumo a minha passagem pela parte da frente do Televisor às séries internacionais, VH1, e pouco mais. No entanto, aqui vai a minha escolha.

Produção Nacional:

- O Mais: "Conta-me como foi".
Sinto-me "cota", como o meu irmão mais novo me chama. Mas o facto é que até das caixas onde, na série, se guarda o arroz e o açucar eu me lembro. E das carteiras da escola - aquelas mesas em madeira, com o tampo inclinado. E dos pratos - aqueles pratos de vidro castanho ou verde. E de tantos e tantos outros detalhes que vão surgindo na série, e me recordam a minha própria infância! (ok, confesso que tb gostava de escolher o "Liberdade 21"... mas era só por causa do Ivo Canelas!!!)

- O Menos: Novelas.
Não há quem aguente a seca com que somos inundados diariamente. Os argumentos são péssimos, as bandas sonoras "pimbas" e os actores são terríveis - e destaco, de entre estes heróis da arte de mal representar, o José Carlos Pereira, que tem um problema na boca e não consegue separar os maxilares enquanto fala!

Produção Internacional:

- O Mais: "Californication".

Adoro! Sim, eu sei... já tinha passado em 2007, mas tb passou em 2008, e eu não lhe resisto. O humor é fantástico, o nivel de maluquice alucinante e traduziu-se sempre em momentos bem passados em frente ao Televisor (até confesso que vi de empreitada, outro dia, todos os episódios que tinha perdido)

- O Menos: "Doctor House".

A sua arrogância e prepotência irritam-me solenemente. E aqueles casos, tão díficeis que nem lembram ao careca, também. E aquele "dom", que lhe permite descobrir sempre tudo no último momento, exactamente quando o paciente já estava mesmo prestes a "arrumar as botas". Não posso com o senhor... mas provavelmente devo ser só eu!... Coxo, maricas (sempre a queixar-se) e todo drunfado!!!! Santa paciência!


Quanto a música - a verdadeira razão de ser deste blogue - e para que tudo por cá seja coerente (e sim, isso nem sempre acontece, mas eu também tenho alguma "pancada") escolho uma música que, sem integrar a banda sonora da minha escolha internacional, tem a coincidência no nome e a vantagem de ser Red Hot Chili Peppers!

domingo, 28 de dezembro de 2008

"2008 em Revista"... na música!

Pois é, partilhei com vocês num outro recente Post o melhor e o pior de 2008, no que à minha vidinha dizia respeito.

Hoje, depois de ter visto o “Ano em Revista” em vários “suportes” (ou seja, no jornal que li no café, nos TOP’s do VH1, na revista “Activa”…. ), decidi-me a partilhar com vocês a minha selecção do que de melhor e pior se passou em 2008 – ou pelo menos no que se refere aos meus interesses. Começando pela música…

Musica Nacional:

- O Mais: Camané.
É o homem que me fez olhar o fado com outros olhos. Constatar que, apesar de todas as tradições e raízes culturais que representa, o fado não pode deixar de evoluir. Excelente trabalho! Aconselho-vos a escutar com toda a atenção o álbum “Sempre de Mim”. Simplesmente fantástico! (eu empresto, se quiserem! Não me canso de o ouvir!)

- O Menos: André Sardet.
Até pode ser um álbum de música infantil. Não discuto. Mas é do piorzinho que já ouvi!!! E as letras são absolutamente horrendas…. “Gosto de ti, desde aqui até à lua”…… Por favor, ó André!!!! Que original!!


Musica Internacional:

- O Mais: Seal.
O mais fantástico álbum de “covers”. Canções sobejamente conhecidas, às quais Seal dá o seu “toque”. É indescritível a força da sua voz. O poder das suas interpretações. Adorei… e tb já “cá canta”!!!

- O Menos: Amy Whinehouse.
Nem sei o que dizer! É deplorável! Quando por cá passou, no RiR, conseguiu dar-nos um grande espectáculo de degradação e falta de brio artístico. Eu recuso-me a comprar CDs de alguém que premeia os fãs com grandes “mocas”, sempre de copo na mão, e a coçar-se por todos os lados. Alguém que nem se aguenta nas “canetas”!!! Até para ser “chanfrado” há que saber sê-lo. Principalmente, quando os fãs pagam! Please… Go to “Rehab”!!!


… E como a escolha do melhor foi difícil, dado que estive mesmo muito indecisa, deixo-vos como “vídeo do dia” o outro “mais”. É que o ano nem poderia acabar, sem os Coldplay lançarem mais um fantástico álbum – Viva La Vida!... E aqui fica a música que, sempre que ouço no carro, me faz ter vontade de aumentar o volume a carregar mais no acelerador (… mas estejam descansados que não o faço!!!)



Agora, vá lá!... Não sejam tímidos e tornem este espaço mais “interactivo”! Digam também de vossa justiça. Que quero conhecer-vos melhor!!!

Beijinhos a todos,

T

sábado, 27 de dezembro de 2008

Playing for Change

No blogue do homem que anima as minhas manhãs(*) encontrei hoje esta obra verdadeiramente fantástica, e que não posso deixar de partilhar com todos vocês.

Como eu costumo dizer, o "Mundo é um quintal". E a música é uma língua universal, através da qual conseguimos comunicar e entender-nos. No matter where we are!

É incrível a sensação que me invadiu depois de ouvir esta música!



(*) para quem não sabe, quem me anima diariamente é o Pedro Ribeiro, e o seu humor contagiante nas manhãs da Comercial!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

2008 - Best of...e nem por isso!

Entramos em contagem decrescente. Faltam apenas 6 dias.

Hoje em dia, mais do que do Natal, gosto da Passagem de Ano. Agrada-me o conceito de encerrar um capítulo, ainda por cima em clima de festa, e começar um Ano Novo, como se de um novo capítulo se tratasse.

É tempo de recordar o que foi bom, e atirar para trás das costas o que foi menos bom. É tempo de reflexão e resoluções.

Para mim, 2008 foi um ano inesquecível.

Resolvi, por isso, em jeito de retrospectiva, destacar os momentos altos e os momentos menos bons… Desafio-vos a fazer o mesmo!

BEST OF 2008:

- Renascer! Sem dúvida, o melhor de 2008 é o facto de ter descoberto uma Teresa nova em mim. Recomecei uma nova vida, com novos objectivos, e estou a adorá-la!


- Os amigos! O apoio dos que sempre estiveram ao meu lado, foi fundamental para me levantar e seguir em frente. Obrigada a todos.


- Os reencontros! Em 2008 reencontrei várias pessoas que, em alguma ocasião, já tinham passado pela minha vida. Um desses reencontros, em especial, tem-se revelado surpreendente!

E OS "NEM POR ISSO":

- Os homens! Porque, mesmo não querendo “meter-me noutra”, confesso que começo a sentir falta de viver momentos especiais. Viver uma paixão em toda a sua intensidade. Alguém com quem partilhar alguns momentos… e sem stresses!... Mas a pontaria tem sido péssima!!! Só encontro “dificuldades”!!!!


- Os desencontros. E tudo que ficou por realizar…


- A (minha) crise. Sim, que é díficil recomeçar sozinha, e ter de “apertar o cinto”. Uma casa que nunca mais se vende. E todas as despesas, sozinha.


Agora é a vossa vez!...

It's the Final Countdown (Europe)

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Crónica de uma (outra) fantasia

Levantou o auscultador do telefone, já antevendo aquela abordagem rude e grosseira, que a deixava tão fora de si:

- Almoças?

Directo. Rápido. Nem um “olá”, nem um “bom dia”. Apenas uma voz carinhosa, mas sem uma palavra de carinho. E era exactamente isso que funcionava como uma faísca, que acendia a chama! Era como um código.

- Contigo? Sempre… - respondeu ela, com um sorriso meio malandro, que ele quase conseguia ver do outro lado da linha.

- Espero por ti. Daqui a meia hora...

Desligou, sem um “adeus” ou um “até já”. E começou então a contagem decrescente. Trinta minutos, infinitamente mais longos que a hora e meia que se lhes seguiria.

O ecrã do seu computador poderia, neste momento, ter qualquer conteúdo. Já não importava, ela já não o conseguia ler.

Pouco depois levantou-se. Vestiu o casaco e olhou os restantes habitantes do open-space.

- Até já. – Disse num tom baixo, tentando disfarçar.

- Não vens almoçar? - Perguntou alguém no canto da sala.
- Não. Hoje tenho um almoço…

E apressou-se a sair sem olhar para mais ninguém. Sabia que se lia nos seus olhos que teria tudo, menos um almoço!!! Os seus olhos denunciavam-na.


(P.S.: e escusam de me perguntar com quem almocei... isto é apenas ficção!!!)


"Good girls go to Heaven... Bad girls go everywhere!!!" (Meatloaf)



segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Natal dos Hospitais

É engraçado, porque me lembro de ser miúda, e de nos reunirmos à volta da TV para ver o Natal dos Hospitais.

Era um programa emblemático da quadra Natalícia, e não havia uma família que o perdesse. Um desfilar de artistas de renome - como o Marco Paulo e os seus invejáveis caracóis arrumadíssimos, ou o Roberto Leal com a sua farfalhuda cabeleira pintada de loiro - e um apresentador sempre composto e altamente profissional.

Era um dos momentos mais esperados da programação dessa quadra, e que entrava em competição directa com a "Gala do Sequim d'Ouro" (Zecchino D'Oro) ou com o Circo do Mónaco na manhã do dia de Natal.

Pois é. E ontem, estava eu a fazer zapping, quando passei pelo "moderno" Natal dos Hospitais. A coisa já não é igual, digo-vos eu... perdeu a magia! Em vez de artistas consagrados (independentemente do quanto são "pimbas") temos os cantores da "morangada" e afins. Temos sketches de humor ao estilo "Malucos do Riso", e um apresentador aos saltos...


A causa continua a ser nobre, mas já não é o mesmo Natal dos Hospitais das minhas tardes de criança!

Mas pelo menos, este ano, fez-me descobrir uma música de que gostei. Mais um um projecto inovador, em que se mistura o Fado e o Jazz. Uma nova e interessante abordagem de um fado que adoro.

Chama-se "A Moda das Tranças Pretas" e este novo projecto é o "Fado em Si Bemol". Aqui fica ... apreciem!

(lamentavelmente, o único vídeo no Youtube não é do Natal dos Hospitais... mas serve!)

domingo, 21 de dezembro de 2008

Os Homens, segundo a minha classificação!

Depois de me ter sido apresentada ontem a classificação das mulheres, como se de um objecto possível de catalogar se tratasse, resolvi hoje dedicar algum tempo e neurónios a fazer o paralelismo para o lado masculino.

E cheguei à conclusão que realmente os homens não são todos iguais. Também podemos classificá-los de acordo com a forma como encararam os seus relacionamentos.

- O VILÃO:

Atraente e charmoso (não forçosamente bonito), enfeitiça ao primeiro olhar. Acha que pode tudo. O seu lema é “chegar, ver e vencer”. Quer chegar rapidamente aos seus objectivos, dispensa perdas de tempo e grandes jogos de sedução. Não se entrega, nem quer entregas. Tem um bloco de gelo no lugar do coração.

Mas o facto é que conquista meio mundo. Por onde passa, destrói corações e arrasa tudo à sua volta. E não se iludam, um Vilão nunca muda! Mas, como nas histórias, o Vilão acaba sempre sozinho.

- O PRINCIPE:

Bonito (ou pelo menos bem parecido), educado e atencioso, trata a mulher como uma rainha. Aloja-a num castelo e cobre-a de tesouros. Vive permanentemente ao seu lado, e proporciona-lhe uma vida calma e tranquila.

Homens destes são uma seca!!! Perdem toda a graça com o tempo. Porque inevitavelmente, o castelo irá tornar-se aborrecido e os tesouros deixam de ter o mesmo sabor. A falta de espaço que a sua presença permanente implica, coloca em causa a independência e afirmação da mulher, que começa a sentir falta de alguma emoção na sua vidinha calma e tranquila…

E um dia cai do trono. Acaba-se o reinado (ou, neste caso, o principado).

- O MÁGICO:

É um artista… transpira sedução! É sexy, e nem precisa de ser bonito! Vai conquistando lentamente, com a magia das suas palavras e dos seus gestos irresistíveis. Faz a mulher sentir-se parte do seu espectáculo. Nunca promete o sucesso, mas garante a emoção vivendo intensamente a cada dia. Vai alimentando a paixão com novos jogos e truques, e só sabe viver com o prazer de dar o maior prazer!

“That’s my Man!!!”. Porque enquanto durar, será sempre bom! Porque vale a pena viver intensamente o presente, mesmo sem saber o futuro.


E agora, como em qualquer catálogo que se preze, podemos ir adicionando novas categorias… Minhas amigas, conto com o vosso contributo (e os amigos, se quiserem também podem dizer de sua justiça)!

E para animar o catálogo: You Can do Magic (América)


sábado, 20 de dezembro de 2008

Crónica de uma fantasia

02h00. A adrenalina da espera… É hoje!

Tinha pensado em todos os detalhes e, agora, os seus olhos buscavam-no incessantemente por entre a multidão que balançava, ritmada, ao som da música.

Ela também deixava o seu corpo seguir o ritmo. Adorava dançar – sentia-se solta, invadida por um mar de emoções e feliz. E, à medida que dançava, parecia ser engolida por aquela multidão. Mas o som, alto, não conseguia abafar-lhe o pensamento. As fantasias. E a contagem dos minutos, que teimavam em querer parecer cada vez mais longos.

Num canto, de onde podia contemplar toda a pista, dançava de olhos fechados. Tanto tempo depois, ainda podia sentir aquela barba suave no seu rosto. Exactamente ali.

E por fim, ele chegou, sem que ela o visse. Como uma sombra, aproximou-se das suas costas e colocou as mãos na sua cintura. A sua respiração quente aqueceu-lhe a alma e o corpo inteiro. E uma voz rouca e pausada entrou no seu ouvido, fazendo cada gota do seu sangue desaparecer temporariamente para parte incerta!

- “Serviço de cobranças!... Vim cobrar a dívida que tem comigo”!

O sorriso rasgou-se no seu rosto, acompanhando o arrepio que a percorria. Manteve o seu corpo imóvel, para que pudesse continuar a sentir assim a presença dele. Não conseguia mexer-se. Virou ligeiramente a cabeça, e encontrou os olhos dele, que gritavam mais alto que todas as músicas “Aqui estou eu. Tal como querias”.

Ela sentia-se atraída pelo seu olhar desde o primeiro momento. São olhos que riem. São olhos que, no matter what, parecem directamente ligados à alma. Irreverentes, decididos, divertidos. Um olhar de criança endiabrada, preso a um corpo de homem.

Respirou fundo. Deixou-se ficar. Dançaram por alguns minutos assim, juntos. Ele sentia-lhe o perfume nos cabelos e nos ombros. Ela sentia-lhe o calor da respiração e aquelas mãos que continuavam na sua cintura.

Até que, embalados pela música, os seus olhos se encontraram novamente e os seus rostos se aproximaram lentamente. A multidão desaparecera.

Mas nesse momento, ela abriu os olhos. Voltou a procurá-lo incessantemente pela pista.

Parecia real a sua fantasia… mas, ele nunca chegou!

“I can feel it, coming in the air tonight”


quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Natal.... também é Humor!

Como continuamos completamente absorvidos pelo espírito Natalício, não podia deixar de incluir hoje este vídeo d'Os Contemporâneos.

"Parti-me" a rir, porque nunca vi ninguém imitar tão bem o George Micheal, como o Nuno Lopes.

"Matam-me" os pormenores.... nunca me ri tanto com o Axel Rose (hilariante, no final do vídeo), com o Bob Dylan ou até com os Tokyo Hotel.

Está o máximo, esta canção de Natal! E é muito nobre, a causa: Salvem os Ricos!...

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Um amor assim....

Hoje… mais um serão “disto”… e é MESMO a “mais bela história de amor”!!

Repitam-ne! Repitam-na muito! Repitam-na vezes sem conta!

E chamem-me romântica, chamem-me “pirosa”, chamem-me o que quiserem! O certo é que não me canso de (re)ver o desempenho do Nicholas Cage. E aquele olhar. Penetrante, “directo à alma”. E aquela voz rouca, pausada. É a voz de um Anjo!

"A Cidade dos Anjos" faz-me querer viver um amor assim! Capaz de tudo. Um amor de corpo e de alma! Um amor sensorial e carnal. Intenso, sentido, profundo!


Não fosse a falta de um Final Feliz...


"Desistiria da eternidade, para te poder tocar..."
(Iris, Goo Goo Dolls)


segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Crónica do Fim... ou do (re)começo

Hoje, ela sentia-se completamente perdida naquela imensidão de espaço de um pequeno T2 de subúrbio. Sentou-se no velho sofá da sala, e deixou-se invadir por aquele silêncio. Depois, fechou os olhos e olhou para trás. Mas não muito, apenas um ano para trás... Exactamente um ano.

E viu-se numa noite de Inverno em Londres - a magia daquela cidade sempre a dominou por completo. É apaixonada por Londres, por tudo e por nada. Pelas luzes, pelas compras, pela história, pelos museus, pela cultura, pela multidão de gente que se em cruza Oxford Street, e que é tudo menos Inglesa. Pela pompa e circunstância do Render da Guarda em Buckingham. Pelo Tamisa. Pelo frio e pelos enormes copos de café em cartão reciclado que lhe aquecem as mãos.

E lá estava ela, parada, na zona de chegadas do Aeroporto de Heathrow. Consumida por um nervoso miudinho, sabia que esta era a sua ultima grande oportunidade. Desta vez, era jogar o tudo ou nada. Olhava o quadro das chegadas - “TPXXX….Expected… Landed” – e mais o aumentava o nervoso miudinho!

Finalmente, alguns (longos) minutos depois ele chega em passos vagarosos. Como se não tivesse pressa. Hoje, ela sabe que apenas ela jogava para o “tudo”. Ele, já sabia que seria “nada”!

Nesse fim-de-semana passearam, conversaram, beijaram-se e tocaram-se pela última vez. Percorreram a pé os imensos quilómetros daquela cidade. Desceram Hyde Park de braço dado. No regresso, foi o fim. Tudo acabou. Ela jogou tudo, mas ele já tinha decidido. Londres foi a despedida.

Agora, sentada no Sofá da Sala, recorda os últimos momentos. E aquele último Natal passado entre lágrimas e súplicas. E um adeus, para sempre...

Abre os olhos e olha novamente em frente. Sabe que foi melhor assim, porque não é possível lutar sozinha por um amor que morreu. E aquele amor já tinha morrido.

De olhos abertos, recosta-se então no sofá e contempla o seu mundo: reconstruiu tudo, naquele T2 de subúrbio onde é agora muito feliz.

Sente-se só, mas será certamente por pouco tempo. Aos poucos, alguém vai ocupando aquele espaço vazio no peito e na alma. Aos poucos, alguém vai povoando o seu pensamento. Alegrando os seus dias. Aos poucos, e de uma forma que jamais esperara poder vir a acontecer.

Pode nunca vir a ser nada. Mas pode vir a ser tudo... E faz com que se sinta tão bem!

E esboça um sorriso – tem todo o tempo do mundo!


The Miracle of Love

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Mas se de repente...

...voltarem a abrir-nos essa porta.... ENTRAMOS!!!

Afinal, era isso que queria. E entrei. Depressa, sem perder tempo. Nem foi preciso insistir.

Porque, no fundo, eu sabia que não podia fechar-se a porta assim, sem mais nem menos!


Ainda há muito para descobrir lá dentro!

*************************************

E música? Hoje apetecia-me deixar-vos tantas... mas ficam uma vez mais os The White Sripes (que adoro!) - I Can Tell That We Are Gonna Be Friends.


quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Segurar-me...

Foi o que fiz ontem. Foi o que fiz hoje. É o que continuo a fazer agora. Com todas as minhas forças.

Seguro tudo dentro de mim, porque sei que é melhor assim. Foi a minha imaginação que me trouxe até aqui, e não quero que ela me pregue mais partidas.

Foi como nadar, para morrer na praia!
Foi como correr, para nunca chegar!
Fechou-se a porta.
Por isso, resta-me segurar-me para não bater…

Por muito que nos custe, e que a vontade nos atraiçoe, nunca se bate quando nos fecham a porta.


quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Veio mesmo a calhar, a nova música de Natal da Comercial!

Não quero, e não posso sentir-me assim - triste. Mas também não quero falar sobre isso agora...

É Natal, e é por isso que decidi partilhar com vocês a música que hoje animou o meu dia. É divertídissima. Veio mesmo a calhar, para ajudar a desatar este nó na garganta!...

Não perca!... já em exibição numa rádio perto de si!


terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Desapontamento...

Tinha prometido à minha amiga "Sininho" incluir muito em breve esta musica num Post, assinalando qualquer coisa de muito especial.

Mas, afinal, do "lado de cá" não há cenas no próximo episódio. Afinal, para já, nem vai haver um próximo episódio!

E como sei que me posso vir a arrepender, se hoje aqui escrever tudo o que estou a sentir, limito-me a deixar esta música com um beijinho especial para a Sininho.



E acrescento que adoro esta música!... Mesmo sabendo que se trata de um daqueles sucessos de momento, que dentro de uns meses já não nos lembramos...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Cenas dos próximos episódios

Nas novelas há sempre um homem e uma mulher de mundos diferentes, que se cruzam.

Ele é o homem bem sucedido, empresário rico e culto. De boas famílias. Viajado. Conhecedor de todas as maravilhas do mundo, e arredores. Sempre impecável, no seu fato de alfaiate feito à medida. Empreendedor, de objectivos claros. É inteligente, simpático e atencioso. Lindo e interessante, é o sonho de qualquer mulher - um cavalheiro! Faz compras em Paris, frequenta os melhores locais, e conhece gente importante e influente. E ainda assim, sente-se tão só!

Ela tem a beleza da simplicidade. Aprecia cada minuto do que a vida lhe dá. Não é a “gata borralheira”, mas tem de fazer contas à vida!... Não faz compras em Paris, mas toma café no sítio do costume e conhece os vizinhos na rua. Canta no carro e chora no cinema. Gostava de fazer tudo "mais": saber mais, conhecer mais, viajar mais. Persegue e atinge cada um dos seus objectivos. Admira a inteligência. Orgulha-se de si mesma. É uma mulher forte e independente! Já amou, já lutou, já sofreu - muito! Vive rodeada de gente. E ainda assim, sente-se tão só!

A vida fê-los cruzar-se. Agora, lentamente, vão-se descobrindo e vão-se conhecendo…

E depois?… depois, são as “cenas dos próximos episódios”!

Mas, nas novelas, todos sabemos que há sempre um final feliz…
e do lado de cá???

(deve ser por isso que não gosto de novelas…)

***********************************

E agora, neste intervalo, em vez de publicidade, deixo-vos com uma das versões “Seal” de um clássico: A Man’s World.

Esta é saídinha do último – e simplesmente fantástico – álbum do Seal, Soul. Um álbum de covers, que são quase tão bons como os originais!!!

l

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Natalices (ou curiosidades do Natal!)

Continuando no espírito Natalício que vem assolando as alminhas consumistas deste "Portugal em Crise", acabo de declarar Greve aos Shopping Centers!!!

Parece impossível!... Eu já detesto Shoppings na sua "época baixa". Mas nesta quadra, servem apenas para se apanhar uma enorme camada de nervos! E o que mais me irrita é que ultimamente apanho transito ao sair do escritório, e não é no acesso à Auto-estrada.... É no acesso ao Oeiras Parque!!!

Mas, como nem só de compras se faz o Natal (e ainda bem!), quero hoje partilhar com vocês uma fantástica versão de um Clássico de Natal, na voz de um ícone da minha adolescência... Billy Idol. Já tinha saudades do inconfundível tique no lábio, do louro oxigenado, e do "olhar à matador"!...

Está fantástico este Jingle Bell Rock!!! Não podia deixar de partilhar convosco!


terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Egoísmos à parte...

Quando a tristeza me cala as palavras, com uma tal força, que não consigo “estar lá” para dar o que mais é preciso...

Quando o meu egoísmo reclama o que não me pertence…

…talvez o silêncio seja o melhor conselho que tenho para dar.





"Dois lados do mesmo adeus", Donna Maria

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Querido Pai Natal...

Assim começam todas Cartas ao Pai Natal. E eu, mesmo depois de saber que não havia Pai Natal - ainda me lembro do choque - continuava a escrevê-las e a deixá-las na mesa de cabeceira do Pai Natal lá de casa. E depois... cresci!

E as cartas? Pois é, foram substituídas por enormes “catálogos” do Toys”R”Us.

Tudo é mais fácil. Abre-se o catálogo e marca-se com “X” – sim, que aquilo até vem com quadradinhos para se assinalarem os presentes pretendidos!

E os miúdos de hoje escusam de escrever enquanto imaginam um presente fantástico, com que sonharam o ano inteiro.

E não. Não precisam de se dar ao trabalho de fazer um desenho a acompanhar um texto, especialmente dirigido ao velho senhor de barbas brancas, a tentar convencê-lo que, afinal, e apesar de todas as malandrices, são verdadeiramente merecedores do tal Robot de Lata, dos Soldadinhos de Chumbo ou da Boneca “Tuxa” (destronada pela Barbie, mas que reinava em Portugal há 30 anos atrás).

Hoje já não se vai às compras de Natal nas lojas da baixa, entre o frio e o cheiro a castanhas assadas. Hoje, já ninguém pára a meio da tarde de compras, para tomar um chá na Confeitaria Nacional.

Hoje já ninguém oferece meias, ceroulas, camisolas interiores. Acabaram-se os lenços bordados com as iniciais do Avô e as camisolas tricotadas pela mãe (como tantas e tantas que a minha mãe nos fez).


Pior que isso. Hoje, já ninguém os recebe com um sorriso nos lábios e com a alegria de quem acabou de receber a maior prova de amor.

ESTÁ A MORRER, A MAGIA DO NATAL!

******************************

De facto, há muito que não escrevo as tais cartas, mas hoje deixo uma música em jeito de pedido ao Pai Natal!

I don't want a lot for Christmas
There's just one thing I need
I don't care about the presents
Underneath the Christmas tree
I just want you for my own
More than you could ever know
Make my wish come true
All I want for Christmas is... You!



All I Want for Christmas is You! Por uma das minhas bandas preferidas do rock actual - os My Chemical Romance.