sábado, 31 de maio de 2008

As feromonas...

Aquela quimica inicial entre duas pessoas é uma coisa muito simples: ou há, ou não há!

A faísca pode dar-se a partir do nada. Pode dar-se assim, sem mais nem menos, e teimar em persistir, mesmo quando não queremos.

Estou mesmo convencida de que é uma reacção quimica – são as feromonas – e por mais que tentemos, não conseguimos arranjar explicação... É uma sensação verdadeiramente inexplicável!

Faz-nos sentir ansiosos. Dá-nos um misto de prazer, adrenalina, tensão, desejo... aquele frio na barriga, aquela vontade de estar junto, de tocar, de... sei lá!

É não conseguir parar de pensar nele...

... Malditas feromonas!

E quando elas (as feromonas) não estão lá... não há nada a fazer!

... Pode até ser muito bom, muito interessante, muito divertido... mas, se nos distraímos, lá está outra vez a nossa chama a ser alimentada pela tal faísca... a outra! A real! A que me consome!

Ando a tentar fugir dessa!

E é por isso que, de há uns dias a esta parte, ando a atirar lenha para outra fogueira! Muita lenha mesmo!!! Vou alimentar uma “fagulha” - que existe, mas é apenas uma fagulha.

E poderá vir a crescer? Talvez... Bem pode um dia vir a ser um verdadeiro fogo!... We never know!...

Como diz o Bruce Springsteen, “You can't start a fire without a spark"

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Deixas-me fora de mim...

Tiras-me do sério. Deixas-me fora de mim!... E o pior?... acho que sabes disso!

Por tudo e por nada!

Sabes o que deves fazer, e fazes.
Sabes o que quero ouvir, e dizes!
Sabes como me olhar, e fugir!

Sabes o que é preciso para me atingir, certeiro!... e é exactamente isso que fazes!...

E acho que fazes de propósito.

Alimentas o teu próprio ego no desconcerto que sabes que me causas (porque de certeza que o sentes).

É em mim que restabeleces as tuas forças. Repões a tua auto-estima...

Mas deixas-me presa... a nada!

Por isso, no final, EU assumo de novo o comando!

Comando o meu pensamento e, por muito que não queira, expulso-te... outra e outra vez.

Porque sei que contigo, não realizarei os meus desejos. Contigo não acalmarei a minha paixão. "Contigo" não existe, nem existirá!...

E, portanto, traço outros caminhos que não passem por ti... e que talvez até me surpreendam!

... Talvez amanhã já nem voltes a deixar-me fora de mim!!!


Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y

Hoje deixo-vos um clássico: Me and Mrs. Jones, de Billy Paul. Embora existam milhões de versões (as mais recentes de M. Bublé e Amy Winehouse ), continuo a preferir o original!




"... We got a thing going on. We both know that it's wrong, but it's much too strong to let it go now!..." (quem me dera!)

terça-feira, 27 de maio de 2008

Peça que toca... (Por uma noite)

"Peça que Toca"... era o nome de um programa de rádio. O velho formato dos discos pedidos!

E hoje adiro a esse formato. Pois é... aqui fica um "disco pedido" por uma amiga... Fica porque ela pediu, e fica porque já por diversas vezes estive para incluir esta música e acabei sempre por escolher outra...

Esta escolha foi ficando para trás. Talvez porque eu não soubesse o que dizer sobre ela...

Mas hoje apetece-me "falar". Até porque, tal dose de sensualidade merece algumas palavras!

Merece que eu diga que, com muita pena minha, não dedico (declaradamente) esta música a quem gostaria de a dedicar hoje...

Merece que eu diga que, ao som desta música, a minha mente viaja para lá da razão. E lá fica. Sozinha... que a companhia que levo nessa viagem não é, por enquanto, mais que o fruto da minha imaginação.

Merece que, por fim, eu diga que nem sequer luto por contrariar essa imaginação - porque o sonho comanda a vida, e sonhar é isso mesmo. É a capacidade que temos de experimentar momentos únicos, e viver apenas a parte boa!

... Talvez um dia destes te puxe para o lado de cá (do sonho)!

Por uma noite (Klepht)


segunda-feira, 26 de maio de 2008

O mundo é um quintal!...

Esta frase (a do título de hoje) é um espectáculo... e uma verdade quase "universal".

E este comentário não tem qualquer carga negativa. Muito pelo contrário. É até muito positivo.

É um quintal porque, já vos referi noutros posts, esta minha involuntária mudança de vida tem-me proporcionado reencontros muito agradáveis. Já revi pessoas que há muito não via. Já tive agradáveis surpresas com outras que, achava eu, se tinham perdido por caminhos menos aconselháveis. Já encontrei pessoas de que já nem me lembrava.

Para alargar um pouquinho o domínio desse quintal, tornámo-lo virtual. São estas "modernices" que permitem, por exemplo, que eu escreva um diário e o partilhe com o mundo - quem diria?! - e que permitem que estejamos todos juntos, mesmo sem nos vermos. É magia - messengers, Hi5, myspace e afins - e, clique!... estamos noutra dimensão!

E nunca sabemos quem poderemos (re)encontrar ao virar da esquina...

Sei lá se não me surpreendo, e encontro novamente o amor, bem dentro do meu quintal???

... É que às vezes as melhores surpresas são as mais simples: uma palavra que não se esperava, dita por quem não se esperava...


Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y Y


Hoje deixo-vos mais uma grande música "made in Portugal". É muito recente. O projecto chama-se Per7ume, e o convidado especial é o grande Rui Veloso.

Intervalo é o nome desta canção. Ouvi-la é para mim um verdadeiro prazer!
.

Brandi Carlile, e as Histórias de Vida.

Por acaso, até já conhecia esta música através da banda sonora da série “Anatomia de Grey” (e também por acaso, já estou um bocado farta dessa série...). Mas só agora a música prendeu a minha atenção, através do novo anúncio da Superbock.

Fui à procura, e cá está ela... Mais uma canção de amor (sofrido), que diz que as histórias de uma vida não têm significado, se não tivermos a quem as contar...

Não concordo! As histórias da minha vida têm todo o significado para mim.

Neste momento, também eu não tenho a quem as contar, mas gosto muito de as recordar. Sozinha.

Porque, acima de tudo, sou muito feliz com aquilo que sou. Já vivi um grande amor e já o perdi. Já vivi algumas paixões e nem as concretizei. Já lutei contra a saudade, quando achava que não teria mais forças. E já “matei” paixões passageiras, apenas porque assim o decidi. Já escrevi e reescrevi a minha história vezes sem conta. E, para mim, tem sempre um grande significado.

Mas enfim… gosto da música na mesma :-)

******************************************

All of these lines across my face
Tell you the story of who I am
So many stories of where I've been
And how I got to where I am
But these stories don't mean anything
When you've got no one to tell them to
It's true...I was made for you

I climbed across the mountain tops
Swam all across the ocean blue
I crossed all the lines and I broke all the rules
But baby I broke them all for you
Because even when I was flat broke
You made me feel like a million bucks
You do
I was made for you

You see the smile that's on my mouth
It's hiding the words that don't come out
And all of my friends who think that I'm blessed
They don't know my head is a mess
No, they don't know who I really am
And they don't know what I've been through like you do
And I was made for you...

All of these lines across my face
Tell you the story of who I am
So many stories of where I've been
And how I got to where I am
But these stories don't mean anything
When you've got no one to tell them to
It's true...I was made for you



sábado, 24 de maio de 2008

1985... recordar é viver!

Hoje, depois do Telejornal, estava a ver uma reportagem da SIC - Perdidos e Achados - e a relembrar o ano de 1985.

Lembrei-me como se tivesse sido ontem, e algumas não foram as melhores recordações. O programa era sobre o acidente ferroviário de Alcafache. Foi realmente uma tragédia. Eu tinha feito 13 anos.

Por essa altura costumava ir para a terra do meu pai, em Unhais da Serra, Covilhã. Ia sempre no mês de Setembro. Ia com a minha tia mais nova e as minhas duas primas. Por norma, íamos de comboio, num regional que saía de Santa Apolónia e demorava uma eternidade a chegar lá. E normalmente, era muito divertido. Mas nesse ano, tudo foi diferente. Não fomos para Unhais, e também não voltámos nunca mais a ir de comboio. Essa tragédia marcou-me de tal maneira que hoje, a ver essas imagens, parecia que tudo se tinha passado ontem.

Mas 1985 teve outras coisas... e boas!

A minha família tinha um novo membro - o meu irmão Diogo. Tinha nascido em Janeiro e acabara de ser baptizado. Para mim era um espectáculo ter um maninho bébé, quase 13 anos mais novo. Ainda hoje ele é, e acho que sempre será, o "meu menino".

Também em Janeiro de 1985 aconteceu a primeira edição de um evento que é agora mais global - o Rock in Rio - assim como, nesse Verão, um dos mais mediáticos concerto conjuntos de solidariedade, cujo objectivo era ajudar no combate à fome na Etiópia (situação essa que também me marcou imenso) - o Live Aid .

E por essa altura, andava eu a viver um Amor Platónico - apaixonada pelo namorado da minha prima! Que além de "liiiiindooooo" era bastante mais velho que eu - na altura, 5 anos era uma diferença abismal (eu com 13 e ele com 18)... agora, nem tanto...

Ainda hoje me lembro desse amor platónico... Era muito engraçado. Olhava para ele... mais velho e tão bonito... e sabia que não iria ter nada com ele, e também não me importava! Se ele me dirigia a palavra, derretia-me toda.... eheheh. Foi a minha primeira grande paixão...

... Também, seria díficil não me lembrar. É que hoje em dia moramos muito perto, e vejo-o com alguma frequência desde que voltei para a Damaia. Cada um de nós tem a sua vida, e desse tempo só resta aquele visual fantástico que ele nunca perdeu... Há coisas que o tempo só melhora!!!! eheheheh

Bom, e posto isto, para recordar 1985, aqui fica "We Are the World" dos USA for Africa, que encerrou extactamente a parte americana do concerto Live Aid. Esta música acabaria por, ainda nesse ano de 1985, ser destronada dos TOPs pelo Crazy for You da Madonna, que já referi neste blog, num Post Anterior.

Aqui vai... e boas recordações!!!

quinta-feira, 22 de maio de 2008

"Mustus"...Lá vem o Sol!!!!

Não! Não somos de despedidas...

Por isso apenas te desejo a maior sorte do mundo! Desejo que te sintas livre. Livre para seguires o teu caminho. Seja ele qual for, de certeza que vai levar-te a um bom porto!

Até porque a vida é feita disso mesmo: de escolhas. E tu já passaste por muitas. Algumas, certamente, não foram as melhores... e outras, de certeza que te trouxeram imensas alegrias e satisfação. E assim vai continuar pela vida fora. As tuas escolhas fazem de ti aquilo que és hoje - e deves orgulhar-te disso!

Porque só podemos arrepender-nos do que deixámos de fazer.

Amiguinha, especialmente dedicada a ti, aqui fica uma música que, pelo menos para mim, é uma inspiração: depois do Inverno, a Primavera... depois da tempestade a bonança... e tudo recomeça! Depois da tristeza, alegria!... LÁ VEM O SOL!!!



Um beijinho muito grande e especial... E cá estarei, para o que for preciso!

sábado, 17 de maio de 2008

Estou com gripe... em reflexão

Pois é... os virus (ou o potente ar condicionado do meu escritório) trouxeram-me uma bela constipação, e deitaram por terra os meus planos para o fim de semana - para hoje estava prevista uma noitada no Lux com a minha amiga Sof :(

Ontem, para completar a "carraspana" fiquei na rua até tarde, na conversa à porta do café, e não se pode dizer que estivesse calor!

Por isso, hoje estou "de molho". Sozinha, sem a minha princesa! Rodeada de lenços, ben-u-ron's, e com o comando da TV como companhia.

Mas estar aqui sozinha - ranhosa, mas relaxada - também tem as suas vantagens. Além de ter posto em dia os episódios mais recentes das séries de que gosto (irmãos e irmãs, nip tuck, serviço de urgências, etc) também tenho pensado muito...

Pensar, dedicar-me a alguma introspecção... tem sido o meu dia. Ando aqui para trás e para a frente, dividida, tentando manter a coerência entre o que penso e o que sinto... E podem crer que estas séries televisivas pseudo-românticas, cheias de manifestações de paixão, recheadas de beijoquices e agarradelas, não ajudam nada!!!!!

Realmente, agora que a minha adolescência já está lá tão atrás, é que dou comigo feita "parvónia" a ver os apaixonados da televisão e a imaginar-nos a viver as mesmas tórridas emoções... Ridícula, no mínimo, esta situação!

Bom, mas voltemos à introspecção...

Por um lado (o racional), sei que provavelmente aquilo que sinto intensamente hoje, amanhã não passará de uma leve recordação...

Se umas vezes penso que não vale a pena correr atrás de tão pouco, outras penso que não posso desistir assim, sem mais nem menos, de uma coisa que ainda nem começou e me faz sentir tão viva!...

... Se por um lado acho que devia colocar os pontos nos "i's", por outro tenho receio do que possa vir daí, e nem sei se verdadeiramente é o que quero...

... e sei que o mais acertado era virar as costas, como já tantas vezes disse que faria.

Mas depois, basta lembrar-me de ti... basta recordar uma imagem dentro da minha cabeça. Basta fechar os meus olhos e lembrar-me dos teus e desse teu sorriso magnífico... basta deixar a minha imaginação correr pelas coisas que gostaria de fazer contigo. E olha que tenho cá uma imaginação!... :)

Portanto, depois de uma tarde de "TV cor de rosa" e de reflexão, a que conclusão chego eu???? A resposta é simples: NÃO SEI...

... sei que estou numa fase mais carente. Sei que, se continuar sem fazer nada, provavelmente esta paixoneta me vai passar, sem que tenha sequer saído do domínio do meu pensamento.

Sei que provavelmente não vamos chegar a falar sobre ela... sei que provavelmente, depois desta, virão outras tantas igualmente intensas (ou não, we never know...)

Mas sei que estou a gostar muito de vivê-la!!! Sei que me fazes bem, só por sorrires. Sei que me sinto mais viva, mais mulher. Mesmo que nunca olhes para mim dessa mesma forma (será que não olhas?)... Mesmo que nunca passes de uma fantasia que criei!... Sei que me sinto muito bem!

E aqui fica o que sei... Sei de ti mais do que queria, numa palava diria: sei-te de cor!

quinta-feira, 15 de maio de 2008

O tempo... dá-me "o teu para sempre"

O coração tem razões que a razão desconhece. E o facto é que a razão e o coração nem sempre andam a par e passo.

Por vezes, sabemos muito bem qual a atitude mais certa. Pensamos e repensamos as nossas escolhas, os nossos actos e o que deles pode resultar. E por muito que saibamos a direcção a tomar, lá vem o coração falar mais alto.

E acaba por ser ele a ditar o caminho.

Por isso, mais vale segui-lo! Acreditar que o tempo nos vai revelar que, afinal, essa era a escolha...

E esse é o grande aliado: O TEMPO...

O tempo que tudo cura, que tudo esquece. Mas também o tempo que relativiza. Ou ainda, o tempo que revela.

Dá-me tempo... tempo para que conduza o teu barco ao meu cais. Devagar. Com leves manobras, com suaves empurrões. Dá-me tempo para que me revele. Dá-me tempo para que possa imprimir vagarosamente as minhas marcas em ti...

E depois, dá-me o teu tempo... como diz esta canção... Dá-me "o teu para sempre".

Não que seja para sempre, mas que seja o nosso tempo certo!



quarta-feira, 14 de maio de 2008

Espaço à poesia

Paixão...

É fogo que arde incessante,
Queima tudo p’lo caminho,
Dominante, Irracional!
Vende a alma por um beijo.
E chega a doer, o desejo,
De tão forte, tão real.

O coração bate doido
Inquieto no meu peito
Galopa, descompassado.
Dispara só por te ver.
Estava capaz do morrer,
Por um segundo ao teu lado.

E imagino a minha pele
Pela tua a viajar,
Quando a tua mão me toca.
Fantasio o teu perfume
Escondo a chama e o ciúme
Num silêncio que sufoca!

Mas isto não é amor...
(viria a ser, se quisesses)
Que o amor não é tão louco!
Cresce lento, vagaroso,
Altruísta e generoso
Sobrevive com tão pouco

É a paixão que quer mais ,
Vive em constate tormento...
Vive à beira da loucura!
Insaciável, ardente,
Domina o corpo e a mente.
Paixão, é quimica pura!

(autoria: moi même...)

******************************

E, como acompanhamento musical, correndo o risco de me tornar repetitiva, aqui fica o Pedro Abrunhosa.

Lembrei-me dele, pois ouvi vezes sem conta a promoção do espectáculo "
20 canções de amor, e um poema desesperado", que estará a partir de hoje em cena no Teatro S. Luiz...

Uma vez mais, aquela que considero a sua melhor música: Agarra-me esta noite!

segunda-feira, 12 de maio de 2008

Take time to realize (Colbie Caillat)

Hoje não estou definitivamente nos meus dias! E falta-me inspiração.

Por isso fica apenas a música.

Desta vez é uma música down, lamechas... até mesmo pimba, se quiserem!... mas é como me sinto hoje. Há dias assim...

domingo, 11 de maio de 2008

Amor por Telepresença.

Hoje deixo-vos um vídeo espectacular.

É um anúcio da Knorr, com muita intervenção da tecnologia (tecnologia da minha empresa, por acaso!).

Neste caso, a nossa conhecidérrima frase passa a “Changing the way we work, live, play, and learn… and love!"

A música que o acompanha dá-lhe o enquadramento perfeito... Faz-me sentir que tudo é possível (está bem, só o sinto durante dois minutos...mas enfim).

Aqui fica o exemplo do que pode ser a tecnologia ao serviço do amor!

"Abana o esqueleto!..." powered by Jézebel!

Aplausos! Merecidos aplausos à tal grande equipa. Merecidos aplausos a todos os que fizeram deste evento um sucesso (a festa de inauguração da minha empresa). Merecidos aplausos a todos nós, que lá estivémos e vivemos um dia em cheio.

Se organizar eventos é a parte que mais gosto do meu trabalho, divertir-me é a parte que mais gosto da minha vida. E ontem trabalhei no que mais gosto, e ainda me diverti muuiiiiiito!

Agora, já recomposta do cansaço do longo dia de ontem - foram 22 horas de "saltos altos" - sento-me no meu calmo sofá e já posso escrever algumas palavras.

Primeiro, algumas palavras sobre os meus colegas (sem personalização, para não haver falhas). Tenho a dizer-vos que é muito bom trabalhar todos os dias com pessoas como vocês. Muitos beijinhos ao "grupo dos duros" que está sempre por perto, divertidos, companheiros, às vezes uns chatos, nem sempre nos entendemos, mas é muito bom dividir o meu dia com todos vocês.

Depois uma única palavra sobre a noite de ontem (que o dia, já eu disse que correu bem): ESPECTÁCULO!

Há já muito tempo que não entrava em casa com os "passarinhos a cantar". Dancei até às tantas da manhã, e ainda tinha lá ficado... Os meus pés pareciam anestesiados pelos saltos, pelo cansaço e pela dança. Literalmente, não os sentia!... A música estava óptima ('tá bem que o DJ não é o melhor nas passagens...) e o ambiente muito bom, como aliás é hábito no Jézebel!

Por fim, algumas palavras a mim mesma: Decididamente... estou decidida!

Considero que em tempo de "arrumações" não se fazem grandes investimentos. Por isso, é claro que não vou perder o meu tempo com o que não vale a pena.

A minha focalização sou EU... e estou a adorar esta nova fase da minha vida!... Esta Teresa renascida.

Portanto... adeus joguinhos! Resolvi mudar de campeonato!!!

E aqui fica, em homenagem à fantástica noite "abana o esqueleto powered by Jézebel"... Just an illusion


sexta-feira, 9 de maio de 2008

Trabalho... que tanto gosto!

Uffff! Finalmente acabou.

Hoje foi um dia longo, cheiiiiinho de trabalho. Estou de rastos, cansada, completamente derreada.

Mas estou cheia de “pica”! Cheia de energia, bem disposta, e sinto-me altamente realizada!...

Porque este é o dia de que mais gosto no meu trabalho. É o “antes da festa”.

Adoro organizar eventos. Quanto maiores, melhor. E, de todo o trabalho árduo que implicam, o que mais gosto é o dia da “montagem”.

Gosto do stress (com que lido bem), gosto do “apagar fogos”... de construir tudo o que andou a ser planeado durante tanto tempo, e ver tudo aos poucos a tomar forma.

Primeiro, o caos! Depois, finalmente tudo começa a parecer-se com alguma coisa. E por fim, é muiiiiiito bom concluir que tudo acaba sempre bem (ou quase tudo... às vezes há detalhes que “deslizam”).

E hoje nem durmo! Ansiosa para que tudo corra bem amanhã, e seja um sucesso. Adoro ver as reacções dos participantes.

Por isso, à grande equipa que tem trabalhado neste projecto, “desejo-nos” tudo de bom!!!

E a música que aqui vos deixo, ouvi-a hoje sei lá quantas vezes, durante os testes de som... e gosto! é interessante, nunca tinha reparado...

"Sitting, Waiting, Wishing", Jack Johnson



Now I was sitting waiting wishing
That you believed in superstitions
Then maybe you'd see the signs
But Lord knows that this world is cruel
And I ain't the Lord, no I'm just a fool
Learning loving somebody don't make them love you
Must I always be waiting waiting on you?
Must I always be playing playing your fool?

I sing ya songs I dance a dance
I gave ya friends all a chance
Putting up with them wasn't worth never having you
And maybe you been through this before
But its my first time
So please ignore
The next few lines cause they're directed at you

I cant always be waiting waiting on you
I cant always be playing playing your fool
I keep playing your part
But its not my scene
Wont this plot not twist?
I've had enough mystery.
Keep building me up, then shooting me down
Well I’m already down
Just wait a minute
Just sitting waiting
Just wait a minute
Just sitting waiting

Well if I was in your position
Id put down all my ammunition
I'd wondered why'd it taken me so long
But Lord knows that I'm not you
And If I was I wouldn't be so cruel
Cause waiting on love ain't so easy to do
Must I always be waiting waiting on you?
Must I always be playing playing your fool?
No I cant always be waiting waiting on you
I cant always be playing playing your fool, foool

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Aqui

Sem mais comentários... Aqui, Ana Carolina

Aqui,
Eu nunca disse que iria ser
A pessoa certa pra você,
Mas sou eu quem te adora.
Se fico um tempo sem te procurar
É pra saudade nos aproximar,
E eu já não vejo a hora,
Eu não consigo esconder.
Certo ou errado, eu quero ter você.
Ei, você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar
Não dá pra disfarçar!
Eu tento aparentar frieza mas não dá,
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está.
Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar.
Tocar o seu olhar,
Te fazer me enxergar, e se enxergar em mim
Aqui.
Agora que você parece não ligar
Que já não pensa e já não quer pensar,
Dizendo que não sente nada
Estou lembrando menos de você...
Falta pouco pra me convencer
Que sou a pessoa errada.
Eu não consigo esconder...


quarta-feira, 7 de maio de 2008

Divagações (e ditados populares)

Gosto de ditados populares. Na maior parte dos casos, são frases carregadas de sabedoria, e que encerram de forma simples mensagens de grande valor.

Posso referir um vulgar, mas que nem por isso deixa de ser pertinente: "O maior cego é aquele que não quer ver!"

Olhem que é muito profundo. E, se para mim está mais do que comprovado pelas minhas vivências recentes, também é verdade que existe o reverso da medalha... Por vezes também vemos coisas onde elas não existem. É o chamado "efeito miragem" - pensamos tanto na água que a vemos no meio do deserto, onde nada está!

Por outro lado, segundo algumas teorias da auto-ajuda e de estudo da mente, esse "efeito miragem" pode muito bem ser desenvolvido como técnica.... e salta novamente o ditado: Querer é poder!!!

Segundo algumas correntes, se quisermos muito uma coisa e conseguirmos projectá-la na nossa vivência como uma realidade, mais tarde ou mais cedo irá tornar-se uma realidade. Fácil, não?

Não. Tem os seus quês... se fosse assim tão linear, estaríamos todos milionários, a viver um grande e correspondido amor, e com um trabalho estimulante e altamente remunerado".

É claro que isso do poder da mente tem muito que se lhe diga.

Sim, para conseguirmos atingir os nossos objectivos na vida, é necessário querer com todas as nossas forças e ser persistente na luta - e vai mais um provérbio: Água mole em pedra dura...

Mas é sempre bom evitar as miragens... não existem. Ponto.

Temos de aprender a gerir muito bem as nossas emoções: conseguir o ânimo para perseguir o que queremos conquistar, tendo a consciência de que, às vezes, não nos devemos iludir com miragens.

Acima de tudo... temos de estar bem connosco para lidar com este turbilhão de emoções!

E eu, posso estar a ter a Miragem (ou talvez a ver o Oásis)... mas hei-de chegar à conquista!!!

terça-feira, 6 de maio de 2008

Fora de Tempo (uma paixão)

Noutras esferas,
noutras eras
anteriores
ou posteriores
meu serias,
e aí me terias
e poderíamos viver,
deixar acontecer
sem nada temer
ou recear
sem satisfações a dar
sem ninguém a obstruir
aquilo que julgamos sentir.

Noutro tempo
noutro momento
anterior
ou posterior,
poderia funcionar
poderíamos amar
nos entregar,
totalmente
ardentemente
desmesuradamente
destemidamente,
sem ninguém ousar
querer evitar o nosso amar.

Deixaríamos fluir
flutuar...flamejar...
evoluir, perpétuar.

In LETRASALINHADAS, 29/03/2008

************************

Este poema que hoje partilho com vocês, é fantástico. Não sei o nome do seu autor, mas nem eu poderia expressar melhor o que me vai na alma...

Quanto à música, aqui fica uma das minhas preferidas... faz parte de um cd que anda sempre comigo no carro, e lembrei-me dela ao passar pelo mesmo Blog (o do poema):

Aqui fica: Jorge Palma, "Só"

... sorry por ser um link, mas não encontro o vídeo no youtube. Seleccionem a canção "Só".

domingo, 4 de maio de 2008

Mãe

Hoje, primeiro domingo de Maio, comemora-se o DIA DA MÃE.

Antes de mais, deixo aqui as palavras que já não posso dizer à minha mãe: AMO-TE MUITO! Disse-to tão poucas vezes... mostrei-te tão poucas vezes. Quem me dera ter mais tempo para te dizer tudo o que não te disse. Quem me dera ter mais tempo, e dar-te-ia muito mais de mim. Mas sei que onde quer que estejas sabes o que sinto, estás sempre comigo e sabes que esta é a verdade: amo-te mesmo muito.

E a música que hoje deixo é mais uma daquelas músicas que ouvíamos no nosso gira-discos quando eu era criança – aquele gira-discos de que já algumas vezes falei neste blog. Também esta música tem o dom de me transportar para a minha infância e me fazer sentir a presença da minha mãe.

E assim, à minha mãe dedico a música “El Condor Pasa” – Simon & Garfunkel, e à minha filha dedico o texto “Abençoado o dia em que nasceste” - que escrevi para ela quando ela chegou, para mudar a minha vida!



**************************

“Abençoado o dia em que nasceste”

Nasceste no dia em que soube que estavas dentro de mim, e contigo cresceu também um amor como nunca pensei existir.
Durante 9 maravilhosos meses fui alimentando esse amor sem te conhecer o rosto e depois, nesse dia inesquecível, eu também nasci de novo. Sei que mudei para sempre, não só porque toda a gente me salienta o quanto mudei e amadureci, mas porque me sinto realmente diferente desde esse dia.
A minha vida tinha outro ritmo, não tinha rotinas, tinha outros valores, outras prioridades e tudo tinha uma dimensão diferente: os problemas, as alegrias, as frustrações...
Agora, tu és o fundamento de tudo: criei rotinas e adoro-as – acordar cedo porque tu queres o teu leitinho, a hora do banhinho, do ó-ó.
As coisas a que antes dava importância, deixaram de ser importantes. O que antes era um grande problema agora não tem valor, comparado com uma febre que tenhas...
...Se antes era maravilhoso não ir para casa ao fim do dia para ir passear, agora não vejo a hora de correr para casa só para te ver. Tudo à minha volta ganhou novas cores!
Mas a maior mudança deu-se dentro de mim, e essa não sei explicar. É por ti que sou outra pessoa e o sinto. É por ti que respiro, é por ti que vivo. É como se fizesses realmente parte de mim - fisica e emocionalmente...
Por mais que escreva e que procure as palavras mais fortes, nunca conseguirei expressar-te o quanto te amo.
... E eu, que pensava que na vida, nada era para sempre, agora tenho a certeza que existe um amor eterno: este amor que nos une é incondicional e para sempre!

(Teresa Meteus, 24/10/2002)